Brasília, 19 de Julho de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

O triste fim de Luiz In√°cio 14.04.2018
Ruy Fabiano
 
A trajetória do PT, que o levou dos sindicatos à Presidência da República no espaço de três décadas, foi marcada por forte discurso moralista. Foi o partido que mais denunciou instituições, partidos e políticos em toda a história republicana brasileira - e o que mais CPIs reivindicou. “Quanto mais CPIs, melhor”, dizia Lula.
 
Uma remota suspeita, ou mesmo uma suspeita fabricada, já o fazia mobilizar Ministério Público, imprensa e sociedade civil para caçar “as ratazanas da política”. A retórica era implacável, impiedosa.
 
O partido professava, com fúria inaudita, o denuncismo como método de ação política. Era preciso “passar o Brasil a limpo” – e só o PT, trincheira da moralidade, poderia fazê-lo. 
 
Lula, como um Torquemada de macacão, condensava essa luta pelo saneamento da vida pública brasileira. Em nome dessa causa e da justiça social (outro clichê repetido à exaustão), recusou-se, na transição do regime militar para o civil, a votar em Tancredo Neves e a assinar a Constituição de 1988.
 
O clero católico da Teologia da Libertação o secundava, com ardor místico; artistas, intelectuais, acadêmicos faziam-lhe coro. 
 
Dentro disso, o partido pediu o impeachment de todos os presidentes da República a partir da redemocratização. Obteve o de Collor, mas se recusou a integrar a frente que se formou em torno de seu sucessor, Itamar Franco. O partido não se misturava.
 
Nem mesmo aliados potenciais, como Leonel Brizola, cabiam no seu figurino. Atribuía-lhe, e ao getulismo, visão superada do trabalhismo; abjurava o sindicalismo pelego, dependente do Estado. 
 
Brizola via com desconfiança esse puritanismo exacerbado, chamando o PT de “a UDN de tamancos”. A UDN, como se sabe, foi o partido cujo denuncismo levou Vargas ao suicídio.
 
Mas a estratégia funcionava: o partido crescia, formava bancadas numerosas e aguerridas, elegia prefeitos, governadores e, enfim, num belo dia, em 2002, elegeu Lula presidente da República. 
 
É quando, então, tudo muda – e muda rápido. O partido alia-se aos setores que combatia: políticos oligarcas e fisiológicos do PMDB, PP e PTB (entre outros ainda piores). E se transmuta em tudo o que condenava. Perde aos poucos o apoio de intelectuais respeitáveis, desencantados com o choque de realidade. 
 
E fica, ao final, com o que tinha (e tem) de pior. Em sua única experiência parlamentar, como deputado-constituinte, Lula identificou “mais de 300 picaretas” no Congresso. Em 13 anos e meio de poder, aliou-se a eles. E devastou estatais, fundos de pensão, bancos públicos; corrompeu e corrompeu-se; tornou-se presa do moralismo que semeou – e que deixou muitas vítimas pelo caminho. 
 
Lula na cadeia, precedido pelo impeachment de Dilma, postulado nas ruas por multidões, é o ocaso de um projeto de poder, que se proclamou redentor e revelou-se um conto do vigário.
 
O PT criminalizou a política - e agora, empenhado em transfigurar Lula em preso político, quer politizar o crime. Mas não há como transformar propina e roubo em ideologia. E é disso que trata sua condenação e os demais seis processos prestes a ter sentença. 
 
Lula está agora ao lado de antigos parceiros – Eduardo Cunha, Sérgio Cabral, Geddel Vieira Lima, Palocci, Maluf, Odebrecht, Leo Pinheiro – e à espera de outros, como Aécio Neves, Gleisi Hoffmann, Lindberg e Zé Dirceu (e, quem sabe, em breve, Dilma e Temer).
 
Pelo avesso, o partido de fato melhorou a taxa de moralidade da vida pública. Ao elevar a níveis inéditos e estratosféricos a velha prática da corrupção, agiu como um purgativo, a provocar no país uma diarreia cívica, que hoje abrange todo o espectro partidário. Não deixa de ter o seu mérito, que a História há de reconhecer.
 
 
Ruy Fabiano, jornalista e escritor 
 


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
VEJA MAIS

17.07.2018 O decl√≠nio dos medalh√Ķes da pol√≠tica
16.07.2018 A ameaça do "não voto"
14.07.2018 Fatos, factoides e o que de fato importa
12.07.2018 Porandubas Políticas
11.07.2018 STF: sem juízes e sem juízo

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152