Brasília, 24 de Fevereiro de 2020
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

Democracia em risco 04.02.2020

 Marco Antônio Pontes 

 
 
Democratas omissos
 
Releituras de Como as democracias morrem (Steven Levitsky e Daniel Ziblatt), nesta quadra de crescentes ameaças ao estado de direito aqui e alhures, assustam este velho escriba. Não tanto pelas semelhanças entre a ascensão de ditaduras no passado, analisadas no livro e as veleidades autoritárias atuais, de resto esperadas quando seus protagonistas foram eleitos por estadunidenses, húngaros, turcos, brasileiros...
Apavora é constatar que não se tenta a sério, conhecidas as intenções dos tiranetes que nos ameaçam, deter-lhes a marcha para a insensatez.
 
Resistir é possível
 
Os dois acadêmicos de Harvard, a par de explicar como fascistas, nazistas e seus pósteros conseguiram (conseguem) empolgar a opinião pública e assumir o poder, formalmente respaldados por eleições – casos de Mussolini e Hitler no século passado e agora de Trump, Orban, Erdogan, Duterte, Bolsonaro –, relatam que muitas vezes foi possível barrar as ondas totalitárias.
Mostram como entre os avanços do nazi-fascismo – sim, naqueles tempos lúgu-bres que geraram a Segunda Guerra Mundial e o holocausto dos judeus – povos tão diferentes quanto britânicos, belgas, finlandeses, costa-riquenhos enfrentaram a barbárie.
 
Sem romantismo
 
É certo que afinal os europeus soçobraram sob o vagalhão nazista, inclusive a pequenina e valente Bélgica. Como a ela a blitzgrieg alemã submeteu sucessivamente Polônia, Holanda, França, Dinamarca, Noruega... quase toda a Europa.
Mas os britânicos não apenas repeliram a invasão como, antes, livraram-se de ninguém menos que um rei, Eduardo VII, forçado a abdicar por simpático ao nazismo.
(Bobagem, a lenda romântica de que teria renunciado ao trono pelo amor de uma mulher, estrangeira divorciada. Então como hoje, não é assim que a banda toca nos concertos do poder.)
 
Fantasma nazista
 
Até nos Estados Unidos um arremedo de nazismo (ou seria fascismo?; tanto faz) mimetizou o crescente totalitarismo europeu da época. Protagonizou-o Charles Lindberg, herói fajuto de falso pioneirismo: a travessia do Oceano Atlântico num avião.
De fato ele pilotou seu Spirit of Saint Louis da América à Europa em 1927, mas só o fez cinco anos depois da façanha muito maior dos portugueses Artur Sacadura Cabral e Carlos Gago Coutinho, que voaram de Lisboa ao Rio.
Lindberg valeu-se do feito e aura aventuresca para emular Hitler e aspirar à presidência com discurso fascistoide (antissemita, inclusive), mas foi abatido antes de decolar: prevaleceram os famosos freios e contrapesos das instituições estadunidenses.
 
 
Demônios de volta
 
Eficazes ao deter tiranos no século XX (depois de Lindberg houve Joseph Mc-Carthy, George Wallace), as instituições não conseguiram barrar Donald Trump, aquela avantesma.
A mimetizar modelos autoritários, demônios que os EUA sofreram e perpetraram horrores para exorcismar – do ataque-surpresa dos japoneses a Pearl Harbor às bombas sobre Hiroshima e Nagasaki –, Trump encampou a frustração de estratos médios que ficaram à margem do progresso globalizado e de trabalhadores do ‘cinturão da ferrugem’, áreas de concentração da velha economia decadente e poluidora.
 
Apelo aos instintos
 
O então candidato apelou aos piores instintos desses estratos – xenofobia, racis-mo, aversão à cultura –, a promessas vãs de trazer de volta uma passada prosperidade e à revolta difusa contra as ‘elites’, ajuntamento arbitrário com que batizou os expoentes da nova economia misturados à intelectualidade, academia, imprensa e políticos tradi-cionais, para mobilizar apoios e comer pelas beiradas a estrutura partidária.
Dessa forma Trump sobrepôs-se aos líderes tradicionais do Partido Republicano e sequestrou-lhes os espaços, substituindo-se inclusive à velha extrema-direita, Tea Party e assemelhados.
 
Manobras obscuras
 
Os apelos ao irracionalismo, vitoriosos nas primárias e na convenção republica-na, serviriam melhor ainda para abater a candidata democrata, acoimada representante das elites demonizadas por Trump. Que ainda lançou mão de truque espúrio, emulando outra vez antigas práticas do nazi-fascismo: o recurso a intervenções externas, no caso a obscuras manobras da espionagem russa.
 
Instituições fragilizadas
 
Tão decisiva quanto os artifícios e ilicitudes do outsider foi a inabilidade dos líderes dos partidos tradicionais – primeiro dos republicanos no processo interno, depois dos democratas na disputa final – em enfrentar o arrivista e seu jogo aético.
Nisso não foram ajudados pelas quase sempre impecáveis instituições da demo-cracia estadunidense. Normas não escritas, como a que obriga aos candidatos abrir as transações financeiras pessoais e empresariais ao escrutínio público, não comoveram o esperto e enrolado Trump, que se recusou a explicar as suspeitíssimas falências e recu-perações de suas empresas.
E não houve força capaz de divulgar-lhe as declarações de imposto de renda, como ocorre há décadas com todos os candidatos à presidência dos EUA.
 
Sinal trocado
 
Desgraçadamente outro destacado componente das instituições estadunidenses, de imaginosas engrenagens, na mais recente eleição operou com sinal trocado.
Refiro-me ao agora criticado ‘colégio eleitoral’, mecanismo pelo qual se recompõem os resultados das urnas por um conjunto de ‘grandes eleitores’ que teoricamente melhor representam a vontade do povo e sobrepõem-se aos resultados expressos no voto direto.
Concebido como um filtro para impedir que demagogos ocasionalmente populares engambelem o povo em situações de crise, na fatídica eleição de 2016 ele funcionou ao contrário: Donald Trump teve cerca de 3 milhões de sufrágios populares menos que Hilary Clinton mas derrotou-a nos votos ‘qualificados’ do colégio eleitoral.
 
Predador alienígena
 
Ressalte-se: como relatam os citados Levitsky e Ziblatt, o desastre só ocorreu porque os mecanismos compensatórios construídos ao longo de dois séculos e meio pela mais antiga e bem-sucedida democracia do mundo não foram adequadamente operados pelos líderes partidários e seus correspondentes nas corporações empresariais.
Cada qual a buscar isoladamente as preferências nas eleições primárias e indicação na convenção, os candidatos republicanos e seus bilionários apoiadores foram incapazes de perceber a ameaça do predador, quase um alienígena no civilizado estado de direito ocidental.
 
Corpo estranho
 
Eis por que a precoce releitura de Como as democracias morrem assusta este velho observador da cena política: como na Alemanha e Itália dos anos 1920–30 e nos Estados Unidos de há três anos e pico, no Brasil de 2018 os líderes dos principais partidos e demais correntes majoritárias de opinião foram incapazes de identificar e muito menos expelir o corpo estranho que se infiltrara no jogo do poder e usava os instrumentos da democracia para menosprezá-la, ameaçá-la na campanha eleitoral e afinal miná-la com o instrumental adquirido no poder.
 
Polarização suicida
 
Desastre ainda maior está no horizonte, no qual não se vislumbra orquestração democrática capaz de opor-se ao poder vocacionado à ditatura.
Os movimentos dos partidos de centro, centro-esquerda e centro-direita supostamente democráticos sugerem pulverização tendente a reproduzir os impasses de 2018, que resultaram na dicotomia entre dois populismos.
É este o cenário antevisto para 2022, caso Lula e seu PT persistam em polarizar com Bolsonaro e ignorem alternativas de composição com aliados naturais no combate às veleidades neofascistas.
 
Retrocessos
 
Assistimos justo agora à reedição nos Estados Unidos de Trump, no Reino Uni-do do brexit, no Brasil de Bolsonaro, daquelas ameaças retrógradas que a civilização julgara descartadas.
Neonazistas e demais totalitários recrudescem na Europa que a custo renascera dos escombros da guerra sob a égide da tolerância, do multiculturalismo, da aceitação da diferença.
E não bastasse a capitulação às teses passadistas de Trump – retrocesso ambiental, reversão de avanços sociais, xenofobia, racismo – as instituições estadunidenses foram novamente golpeadas na semana passada, quando o Senado aceitou chicanas jurídicas e ridículos pretextos ‘políticos’ para encerrar o processo de impeachment.
 
Resposta tímida
 
No Brasil a ação política congressual, sensível às pressões da opinião pública, e o crescente ativismo judiciário – nisso bem vindo – têm conseguido podar os mais estapafúrdios retrocessos tentados por Bolsonaro na pauta de costumes e na política (anti)cultural.
Mas é tímida a resposta aos arreganhos totalitários do presidente e sua entourage mais próxima, a ‘familiocracia’ e os ministros ‘ideológicos’.
Impossível ignorar as ameaças ao estado de direito que informam o comporta-mento do núcleo duro do poder, se este tem por modelo Donald Trump e por mentor um pseudointelectual desbocado, que dispara absurdos e fatuidades travestidas de pensamento filosófico.
 
Cegueira voluntária
 
Tanto pior que a tudo isso se some um fenômeno perverso que reedita aqui, ceteris paribus, o comportamento dos capitalistas italianos e alemães (com reproduções em França, Inglaterra, até nos Estados Unidos) ante o avanço nazifascista.
É importante conhecer a história, para não lhe repetir as tragédias: na Europa dos anos 1930 os donos do dinheiro fecharam os olhos à preparação dos estados totalitários para a guerra, à supressão da democracia, ao extermínio dos judeus, ciganos e demais ‘sub-raças’ conforme a classificação dos ‘cientistas’ depravados do nazismo.
 
Capitalismo irresponsável
 
‘Tá certo, leitor: não pretendo comparar Alemanha e Itália de nove décadas atrás com o Brasil atual, muito menos Hitler e Mussolini com Bolsonaro – adianta nada decidir quem foi ou é pior.
Mas a analogia serve bem ao posicionamento do grande capital brasileiro, que apostou irresponsavelmente em candidato cujo prontuário registra homenagem pública a torturador, explícito apoio à ditadura que só teria errado, disse!, por não matar mais gente e um ror de declarações misóginas, racistas, homofóbicas... (vá a palavrinha etimologicamente equivocada).
 
Patrocínio autoritário
 
É ainda mais grave que nossos dirigentes empresariais, com as exceções de pra-xe, mantenham e dobrem a aposta mesmo confrontados pelo reacionarismo que Bolsonaro e sua turma imprimem no governo.
Parecem fiar-se nos acenos ultraliberais (em economia, só) do ‘superministro’ Paulo Guedes, para eles assim um ‘presidente’ de fato, sem atentar para a realidade: Guedes sequer pode entregar o que prometeu, atrapalha-se nas articulações políticas e está a léguas dos superpoderes que esperava concentrar.
Assim o respaldo empresarial ao ex-capitão servirá mais à retrógrada pauta comportamental, à sabotagem da cultura que a uma pretensa liberação das forças produtivas – ademais sob risco de patrocinar aventuras autoritárias.
 
Marco Antônio Pontes é jornalista
marcoantoniodp@terra.com.br


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
VEJA MAIS

20.02.2020 Porandubas Políticas
19.02.2020 Mais uma do Guedes
17.02.2020 Não há boa fé na América
12.02.2020 Porandubas Políticas
11.02.2020 Se erram tanto, por que tanto apoio?

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152