Brasília, 24 de Fevereiro de 2020
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

Se erram tanto, por que tanto apoio? 11.02.2020

 Marco Antônio Pontes

 
Fora de contexto
 
Eu já escrevera as notas a seguir quando o ministro da Economia chamou os servidores públicos de “parasitas” e depois se desdisse, culpou a imprensa por citação “fora de contexto”.
Mas é impossível desmentir o discurso que as TVs exibiram: ele foi injusto e aí sim, fora de qualquer contexto razoável, ofendeu os cerca de 12 milhões de trabalhadores brasileiros que servem ao estado nos municípios, unidades federadas e União.
O desastrado acólito de Bolsonaro fala (e faz) as bobagens que lhe sugerem a indigente percepção de mundo, o que a este provecto escriba surpreende nem um pouco.
 
Aposta nos erros...
 
Paulo Guedes e sua equipe erram muito!, é inacreditável que os cartórios empresariais – especialmente o das altas finanças – sigam a apostar nas promessas de sujeição do estado e sociedade à ortodoxia econômica, sonho de consumo dos irresponsáveis líderes empresariais que apoiaram Bolsonaro em 2018, e ainda apoiam.
Talvez o façam, sei lá, por falta de alternativa, já que seus velhos amigos dos partidos ditos de centro, que não conseguiram entender-se há dois anos, continuam desunidos e desarvorados, sem dar mostras de que terão candidato viável nas próximas eleições.
 
...por falta de acertos
 
O que se sabe é que o reduzido clube dos muito ricos, a nata do andar de cima sempre morreu de medo do PT, por isso jogou todas as fichas no ex-capitão, que lhes fora vendido (e fingiu ser) uma figura dócil aos conselhos do ‘posto Ipiranga’.
Já se sabe que não é bem assim, frequentemente o tosco presidente escapa das prescrições e atrapalha o processo porém a turma do dinheiro, pelo visto, confia menos ainda nos que se aprestam a enfrentar simultaneamente o bolsonarismo e o petismo. E, convenhamos, eles não são lá essas coisas.
 
Ingratos
 
Coisa mais estranha!, o pavor que o grande capital tem da esquerda, ou de tudo o que lembre socialismo ou comunismo que, entretanto, seus porta-vozes não se cansam de dizer que acabou.
No caso brasileiro eles cometem outro equívoco, o de achar que o PT é partido de esquerda e Lula um líder socialista, quando o próprio jefe já disse com todas as letras que é nada disso.
E ademais são uns ingratos: o capital financeiro nunca fora tão feliz como na era lulista, nos dois mandatos do próprio e no primeiro de seu ‘poste’, até que o excesso de incompetência (e prepotência) daquela senhora pôs a perder a lucrativa parceria.
 
Máquina abandonada
 
Mas falava de outra incompetência, a de Guedes e sua turma: que erro mais grotesco!, permitir a atual penúria de quadros que imobiliza o INSS.
Não foi da noite pro dia, o esvaziamento ocorreu durante todo o ano passado e tem explicação singela: muitos dos funcionários mais experientes, que conheciam a máquina e sabiam tocá-la, já contavam tempo suficiente e perceberam que as regras de aposentadoria iriam mudar; tendo a faca e o queijo na mão, pegaram logo seu pedaço.
O pessoal de Guedes não notou que máquina perdia engrenagens, correias de transmissão, força motriz.
 
Previdência imprevidente
 
Tamanha imprevidência no trato da Previdência – não repor os quadros e demais recursos perdidos – induziu suposição ainda pior: teria sido deliberada a desmontagem do INSS, ‘jeitinho’ de poupar dinheiro, pois sem concessão de aposentadorias, auxílios-desemprego, licenças para tratamento de saúde e recuperação de acidentes reduz-se o crescimento do déficit, a esperar os resultados da reforma que o Congresso aprovou.
Quer dizer: haveria erro ainda maior, a confundir-se com o crime de sonegar direitos aos segurados e aos mais pobres os chamados benefícios de prestação continuada, garantia de sobrevivência.
 
Pés pelas mãos
 
Melhor recusar tal hipótese, que sabe a teoria conspiratória. Até porque os a-prendizes de feiticeiro na administração pública – com as exceções habituais – que sob o neófito Paulo Guedes chegaram ao proscênio neste infeliz governo erram mesmo é porque não sabem como acertar.
A exemplo do chefe têm experiência nenhuma em funções de estado, trocam pés pelas mãos.
 
Crise de identidade
 
Às vezes beiram o ridículo, como na novela do COAF: passaram-no da área fa-zendária para a da Justiça, fizeram que retornasse ao aprisco via Banco Central, com nova sigla, voltou ao antigo nome depois de um tempo hibernado – nisso com valiosa contribuição do presidente do STF – e agora, em crise de identidade, sabe-se lá o que faz e onde.
 
Miséria de volta
 
A par de incompetentes os calouros no poder são insensíveis. Resolvem mudar (até de nome) o Programa Bolsa Família e enquanto não encontram jeito nem nome novo, param tudo.
O represamento de cerca de meio milhão de pedidos de socorro – a miséria re-produz-se pela própria dinâmica no selvagem capitalismo brasileiro – agrava o sofri-mento dos mais pobres e a desigualdade, que cresce pela primeira vez desde a redemo-cratização de 1985, quando teve um ponto de inflexão graças a iniciativas assistenciais pioneiras (como a bolsa-escola em Campinas e Brasília), o controle da inflação com o Plano Real e o movimento contra a fome de Betinho, esses no governo Itamar.
 
Boa ideia abandonada
 
Raro acerto do governo Dilma o Programa Mais Médicos foi interrompido antes da posse de Bolsonaro, em ato pusilânime do antecessor.
Consta que a ideia de suprimi-lo teria partido de Guedes, com pronta acolhida do ex-capitão que procurava solertes cubanos comunistas até debaixo das macas dos hospitais que frequentou.
Agora um aflito ministro da Saúde tenta em vão suprir a ausência dos cubanos; precisa de estímulos para motivar médicos brasileiros a trabalhar no interior e periferias mais pobres, mas faltam-lhe meios porque os ultraliberais da economia detestam projetos sociais.
 
Mais insensibilidade
 
Não dá pra contar aqui todas as mancadas do ‘posto Ipiranga’ e seus ‘frentistas’, que haverão de suceder-se ad infinitum enquanto durar este infeliz governo. Acrescento apenas a mais recente, talvez só especulação em mesa de bar – embora em bares frequentados por gente que sabe das coisas: teria sido por objeções dos fundamental-capitalistas que o governo titubeou em repatriar os brasileiros apanhados no contrapé pelo revigorado coronavírus asiático.
A hipótese combina com a insensibilidade da turma: seria cara demais a opera-ção que salvaria uns poucos indivíduos – tudo se restringiria a números, estatísticas.
 
Anacronismo
 
Em tempos em que até Donald Trump, aquela avantesma, admite (relutante) que o aquecimento global tem a ver com a ação humana;
quando o ministro do Meio Ambiente constrange-se a defender, certo da boca pra fora, a proteção dos biomas tropicais sob guarda do Brasil;
enquanto Bolsonaro, que está nem aí para florestas, meio ambiente, índios... susta provisoriamente a retórica antinatureza e decide criar um Conselho da Amazônia (resta saber-lhe a composição, conceitos, estratégias);
apesar disso tudo, vejam o que diz Ricardo Felício, professor de Climatologia (logo de quê!) da USP:
“Nós seres humanos não temos nenhum [sic] poder para influenciar o clima do planeta. Achar que temos algum controle é pura arrogância e falta de conhecimento científico.”
 
Legitimidade reduzida
 
Sempre oportuno e com admirável síntese, Sérgio Alves dá continuidade às re-flexões “sobre a democracia em nosso país e na América Latina” que esta coluna pro-põe aos leitores:
– Suspeito que o regime democrático tem apresentado preocupante redução de legitimidade e representatividade, em meio à demagogia populista, à corrupção institucionalizada, à resiliente desigualdade socioeconômica, à desarmonia dos três poderes republicanos e à violência sob descontrole.
 
Pra lá da polarização
 
– Creio desnecessário ressaltar – conclui (por enquanto) o acadêmico – ser esse fenômeno algo muito além da anacrônica polarização direita-esquerda, da qual o lulopetismo e o bolsonarismo se nutrem, sufocando alternativas mais ao centro [...]. Cabe avançar na discussão desapaixonada do tema.
Aceito o repto e repasso-o aos demais leitores.
 
De esquerda e do PT?
 
Escreve-me Paulo Alberto Muniz, que se declara “de esquerda e adepto do PT e seguidor do Lula”, a propósito de meu depoimento meio en passant, há duas semanas, sobre um querido amigo, o filósofo Leandro Konder, com quem muito aprendi em intensa convivência nos anos 1960–70 e encontros menos frequentes depois.
Leandro foi intérprete, divulgador e renovador do marxismo, internacionalmente reconhecido. Muniz afirma que ele teria “renegado a esquerda” e por isso fora “excluído pelo PT”.
 
Opiniões compreensíveis,...
 
Respeito suas opiniões, prezado leitor e admiro-lhe o malabarismo: ser “de es-querda, adepto do PT e seguidor de Lula” não há de ser fácil. Porém não endosso suas opiniões nem lhe compartilho o esforço: a mim parece que o PT há muito se assumiu populista, sob as ordens de Lula; e populismo usa retórica de esquerda mas favorece a direita.
Compreendo-lhe entretanto o drama, semelhante ao de velhos correligionários que vi apostarem a vida num partido que seria diferente, criado ‘de baixo pra cima’ conforme os cânones marxistas mas desvirtuou-se, de concessão em concessão acabou igual ou pior que as agremiações burguesas que denunciara. É quase insuportável a decepção – que eu mesmo experimentei há muito tempo –, assim entendo quão difícil é aceitar os fatos.
 
...fatos falseados
 
Diversamente das opiniões, devo dizer ao caro Muniz que não lhe reconheço o direito aos próprios fatos – no caso os equívocos sobre a biografia de Leandro Konder.
Ele jamais renegou a esquerda nem foi excluído do PT. Ao contrário, junto com o amigo e também filósofo Carlos Nelson Coutinho, deixou o partido que ajudara a criar para manter-se fiel aos compromissos que Lula e sua turma abandonaram em favor de um populismo eleitoreiro e desmobilizador.
 
Marco Antônio Pontes é jornalista
marcoantoniodp@terra.com.br


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
VEJA MAIS

20.02.2020 Porandubas Políticas
19.02.2020 Mais uma do Guedes
17.02.2020 Não há boa fé na América
12.02.2020 Porandubas Políticas
11.02.2020 Se erram tanto, por que tanto apoio?

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152