Brasília, 18 de Novembro de 2017
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV CâĘmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

LAVA JATO
Ministro Fux defende pris√£o de Joesley e Saud 06.09.2017
Divulgação
Fux defende rescisão de delação

Brasília - O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu nesta terça-feira a prisão de dois delatores da JBS: Joesley Batista e Ricardo Saud.

A descoberta de uma nova gravação de um conversa mantida entre os dois fez o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a abrir uma investigação interna que poderá levar à revisão da delação de três dos sete delatores da empresa. Isso porque o áudio revela fatos que não haviam sido mencionados antes. E omissões são vedadas pelo acordo firmado com a Procuradoria-Geral da República (PGR). Na gravação, entre outras coisas, os delatores fazem menções a ministros do STF.

"Eu acho que Joesley e Ricardo Saud ludibriaram a Procuradoria, degradaram a imagem do Brasil no plano internacional, atentaram contra a dignidade da justiça, mostraram a arrogância dos criminosos do colarinho branco. A primeira providência a ser tomada é prendê-los", afirmou Fux.
 
O ministro destacou que a prisão deve ser pedida, e não pode ser tomada de ofício pelo STF, ou seja, por conta própria, sem provocação. Ele sugeriu que o Ministério Público peça a prisão.
 
"Pedido de prisão tem que ser requerido. Não pode ser de ofício", esclareceu o ministro, acrescentando: "Eu deixo ao alvedrio do Ministério Público a opção de fazer com que os participantes dessa cadeia criminosa passassem do exílio em Nova York para o exílio na Papuda. Gostaria de sugerir isto aqui em meu nome pessoal e eventualmente daqueles que concordam com minha indignação".
 
Ele também foi contra a anulação de todas as provas obtidas. Os depoimentos podem deixar de valer, mas outros elementos podem ser aproveitados. "Acho que as provas que subsistem autonomamente devem ser aproveitadas. A prova testemunhal dele não pode valer, mas os documentos que subsistem por si sós, eles têm de ter vida própria".
 
O relator da delação no STF é o ministro Edson Fachin, que homologou o acordo dos executivos da JBS com a PGR. Questionado se uma eventual revisão da delação deveria ficar com o relator ou com o plenário, Fux respondeu: "Relator homologou, relator rescinde".
 
Com agências


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTE√öDO RELACIONADO

18-11-2017 Juízes questionam no STF liberação de Picciani e mais dois
16-11-2017 TRF2 decide pela pris√£o de Picciani e mais 2 deputados
16-11-2017 TRF2 julga hoje pedido de pris√£o de Picciani e mais 2 deputados
14-11-2017 MPF acusa Picciani de receber R$ 83 milh√Ķes
14-11-2017 Condenado e solto, Dirceu dança nas barbas da Justiça
12-11-2017 Políticos articulam projetos para barrar combate à corrupção
VEJA MAIS

18-11-2017 Deu "um branco"...
18-11-2017 Processo lento
18-11-2017 Juízes questionam no STF liberação de Picciani e mais dois
18-11-2017 Justiça do DF condena Renan Calheiros à perda do mandato
17-11-2017 Quase 27 milh√Ķes de pessoas est√£o sem trabalho no Pa√≠s

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152