Brasília, 23 de Setembro de 2017
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV CâĘmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

LAVA JATO
TRF-4 suspende julgamento que pode dobrar pena de Dirceu 13.09.2017
Divulgação
Dirceu pode voltar para a cadeia

Brasília - O julgamento que pode definir a condenação do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu em segunda instância na Operação Lava Jato, iniciado nesta quarta-feira, foi suspenso por um pedido de vista de um dos desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). Victor Luiz dos Santos Laus suspendeu a decisão depois de os magistrados João Pedro Gebran Neto, relator da Lava Jato no TRF4, e Leandro Paulsen votarem pela confirmação da condenação determinada pelo juiz Sergio Moro e, além disso, pelo aumento da pena aplicada a Dirceu.

Como o julgamento ainda não terminou, os desembargadores ainda podem alterar seus entendimentos. Se a pena for confirmada, o ex-ministro poderá voltar para a cadeia, desta vez para cumprir pena, conforme entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a execução de punições após condenações em segunda instância.

A prisão de Dirceu, que tem 71 anos, contudo, não é obrigatória. Caso a decisão de Moro seja mantida, os desembargadores vão julgar se é adequado enviar o ex-ministro de volta para a carceragem.

O homem-forte do primeiro governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado por Moro a 20 anos e 10 meses de prisão em razão de seu envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras – ele nega envolvimento. Em seu voto nesta quarta-feira, Gebran Neto considerou que a pena dele deve ser elevada para 41 anos e 4 meses de prisão, enquanto Paulsen decidiu que a punição deve chegar a 27 anos e 4 meses.

Segundo a sentença proferida por Moro, Dirceu recebeu cerca de 15 milhões de reais em propina de empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção na Petrobras, em especial da Engevix. No texto, o juiz chama atenção para a suspeita de que o petista embolsou ilícitos até novembro de 2013, época em que já havia sido condenado no escândalo do mensalão por corrupção passiva. A punição inicial, considerando a reincidência de José Dirceu, havia sido de 23 anos e 4 meses de prisão, mas, em função da idade dele, acabou reduzida pelo juiz federal a 20 anos e 10 meses.

Prisão domiciliar

O ex-ministro cumpre prisão domiciliar desde maio, quando, por 3 votos a 2, a Segunda Turma do STF converteu a prisão preventiva dele por medidas cautelares – ele é obrigado a comparecer periodicamente à Justiça, não pode entrar em contato com outros investigados no processo e deve usar tornozeleira eletrônica.

No julgamento do STF, a maioria seguiu entendimento do ministro Dias Toffoli, que afirmou que não seria possível manter a prisão de Dirceu apenas com base em uma condenação de primeira instância, o que seria uma “antecipação de pena”. Em seu voto, Toffoli declarou que as medidas menos lesivas, diferentes da carceragem de Curitiba, poderiam ser aplicadas no caso de Dirceu. Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes seguiram o entendimento.

Com agências 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTE√öDO RELACIONADO

16-09-2017 Lama no ventilador
13-09-2017 TRF-4 suspende julgamento que pode dobrar pena de Dirceu
12-09-2017 TRF-4 pode levar Dirceu de volta para a pris√£o
09-08-2017 Lula volta a ser investigado por propina do mensal√£o
05-08-2017 PT, política e crime
29-07-2017 Na Corte do crime organizado
VEJA MAIS

23-09-2017 Janot revela que Dilma avisou marqueteiros sobre pris√£o
22-09-2017 TRF-4 nega anulação de sentença que condenou Lula
22-09-2017 Porandubas Políticas
21-09-2017 PF indicia donos da JBS por crime financeiro
21-09-2017 Moro d√° 15 dias a Lula para provar valor bloqueado

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152