Brasília, 14 de Dezembro de 2017
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

LAVA JATO
Procuradora defende manter pris√£o de Wesley Batista 08.10.2017
Divulgação
Wesley est√° preso desde 13 de setembro

Brasília - A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) a manutenção da prisão do empresário Wesley Batista, um dos donos da JBS. Ele foi preso no mês passado por ter supostamente praticadoo crime de “insider trading” ao utilizar informações privilegiadas sobre a delação premiada de empresários do grupo para operar no mercado financeiro.

Raquel afirma que o empresário usou a delação para ter “lucro fácil”. A manifestação é sobre um pedido de liberdade feito pela defesa de Wesley ao STF.

“Ao invés de representar espaço de conscientização e arrependimento a respeito dos crimes já praticados, o acordo de colaboração representou, aos olhos do reclamante, oportunidade de lucro fácil, mediante o cometimento de novos crimes”, afirma Raquel em trecho do documento, protocolado nessa sexta-feira no STF.

Ela afirma que a atitude do empresário foi de “deslealdade” com o Ministério Público Federal e que o acordo de delação premiada não abrange crimes praticados que não foram confessados pelos delatores ou realizados por eles após a celebração do acordo.

“Além disso, diante da lógica subjacente aos acordos de colaboração premiada, que tem em seu núcleo central o princípio da confiança mútua e da boa-fé subjetiva e objetiva, parece impositiva a conclusão de que benefício conferido ao reclamante no ajuste em comento não pode alcançar eventuais ilícitos por ele praticados em patente atitude de deslealdade ao próprio acordo e ao MPF, como parece ter ocorrido em relação ao crime objeto do Inquérito Policial n. 0006243-26.2017.4.03.6181. Neste crime, o reclamante teria se valido justamente da celebração do acordo de colaboração premiada para obter vantagem indevida em detrimento de terceiros e do mercado financeiro, tudo com o intuito de maximizar seus ganhos e aumentar o seu já vultoso patrimônio”, diz a PGR.

Rescisão da delação

A procuradora observa ainda que a prática de crimes fora dos confessados no acordo é motivo para a rescisão da delação, mas que não é necessário fazer o rompimento antes de se aplicar eventual medida cautelar por este outro crime. Ela afirma ainda que a prisão decretada não usurpou a competência do STF.

Raquel diz também que conceder a liberdade a Wesley colocaria em risco a instrução do processo porque “em oportunidades anteriores, o reclamante e seu irmão (Joesley) não hesitaram em cooptar agentes públicos, exercendo, devido a seu elevado poderio econômico, influência sobre diversos órgãos públicos, o que poderá atrapalhar a produção de provas necessárias à investigação”. Sustenta ainda haver risco à ordem pública pelas evidências da prática de crimes mesmo após o acordo de delação.

Com agências  



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER



COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

14-12-2017 Agripino vira réu no STF e DEM adia convenção
13-12-2017 Porandubas Políticas
12-12-2017 Tribunal marca para 24 de janeiro julgamento de Lula
13-12-2017 A esquerda dos artistas
11-12-2017 Petrobras cobra devolução de R$ 1 milhão de Gleisi
11-12-2017 PF investiga propina de R$ 160 milh√Ķes para fraudar Receita
VEJA MAIS

14-12-2017 CPI mista da JBS pede investigação sobre Janot
14-12-2017 Votação da PEC da Previdência fica para 19 de fevereiro
14-12-2017 Projeto de transparência da CLDF vai a plenário
14-12-2017 Judici√°rio torra R$ 105 milh√Ķes em aux√≠lios a ju√≠zes
14-12-2017 Temer continuará internado em SP até amanhã

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152