Brasília, 21 de Novembro de 2017
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV CâĘmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

LAVA JATO
Dilma sai em defesa da empreiteira Odebrecht 28.10.2017
Divulgação
Dilma saiu em defesa de Bendine

Brasília - A ex-presidente Dilma Rousseff prestou depoimento na manhã desta sexta-feira (27) como testemunha no processo da Operação Lava Jato que tem entre os réus o ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras Aldemir Bendine. O ex-executivo das estatais, que arrolou Dilma como testemunha de defesa, é suspeito de ter recebido R$ 3 milhõesem propina da Odebrecht em 2015, pouco depois de ter assumido a presidência da petrolífera.

A petista está em Belo Horizonte, onde acompanha o tratamento de um problema de saúde de sua mãe, e falou ao juiz federal Sergio Moro por meio de videoconferência. Na oitiva, Dilma foi questionada sobre o processo de nomeação de Bendine à presidência da Petrobras e a respeito das relações entre a Odebrecht e o governo.

Questionada pela defesa de Aldemir Bendine sobre um trecho da delação premiada do empreiteiro Marcelo Odebrecht em que ele cita o ex-ministro Aloizio Mercadante como interlocutor do Planalto junto à empresa, Dilma afirmou que o governo tinha “preocupação” em “salvar” as empreiteiras investigadas na Lava Jato e, por isso, manteve tratativas com a Controladoria-Geral da União (CGU), a Advocacia-Geral da União (AGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU) a respeito dos acordos de leniência das empresas.

“Nós tínhamos, de fato, uma preocupação pública em relação a construir as condições de leniência para que o processo tivesse punição dos responsáveis, mas que se salvassem as empresas de engenharia deste país”, afirmou a ex-presidente. Para Dilma, devem ser punidos “executivos ou funcionários que pratiquem os malfeitos”, mas as empresas, enquanto “produtos sociais”, “tinham que ser preservadas”.

Indagada pelo advogado do empresário André Gustavo Vieira da Silva, um dos réus no processo, sobre a relação entre o governo e a Odebrecht, Dilma Rousseff ressaltou que a empresa “merecia toda atenção do governo” por sua relevância na economia do país, e não pelas doações que fazia a campanhas políticas.

“Muitas vezes a gente concordava com os rumos propostos pelo Grupo Odebrecht, e é público e notório que muitas vezes, também, nós discordávamos. Tínhamos uma relação de grande interesse, não porque eles contribuíssem com a campanha, mas pela importância que o grupo tinha, e acredito que ainda tem, na economia brasileira”, disse a petista.

Com agências 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTE√öDO RELACIONADO

21-11-2017 Nova fase da Lava Jato prende ex-gerente da Transpetro
20-11-2017 Seg√≥via assume PF e lamenta disputa com Minist√©rio P√ļblico
20-11-2017 Lula recebeu R$ 27 milh√Ķes em palestras a empreiteiras
19-11-2017 MP tenta anular sess√£o que libertou Picciani e mais 2
18-11-2017 Juízes questionam no STF liberação de Picciani e mais dois
16-11-2017 TRF2 decide pela pris√£o de Picciani e mais 2 deputados
VEJA MAIS

21-11-2017 Camelot às avessas
21-11-2017 Nova fase da Lava Jato prende ex-gerente da Transpetro
20-11-2017 Seg√≥via assume PF e lamenta disputa com Minist√©rio P√ļblico
20-11-2017 Lula recebeu R$ 27 milh√Ķes em palestras a empreiteiras
19-11-2017 MP tenta anular sess√£o que libertou Picciani e mais 2

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152