Brasília, 21 de Novembro de 2017
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV CâĘmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

ELEI√á√ēES 2018
TSE apura se Lula e Bolsonaro fazem campanha antecipada 04.11.2017
Divulgação
Lula e Bolsonaro: internet na campanha

Brasília - O Tribunal Superior Eleitoral está acompanhando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) por suspeitas de ação eleitoral antecipada, o que é proibido por lei. Bolsonaro já tem um processo aberto contra ele no tribunal. Ambos já são os favoritos para a corrida presidencial das eleições de 2018.

De acordo com informação adiantada pelo jornal O Estado de S. Paulo, o ex-presidente Lula é alvo de processo no TSE por causa da veiculação de vídeos na internet. O Ministério Público Eleitoral (MPE) considera que eles seriam uma forma de campanha eleitoral antecipada.

O Ministério Público questionou também ao TSE a participação de Lula na “inauguração popular da Transposição de Águas do São Francisco”, em evento ocorrido na cidade de Monteiro, na Paraíba, em março deste ano.

O relator do caso de Lula, ministro Admar Gonzaga, pede cautela no caso. “Temos de ver a questão do ponto de vista técnico, da afronta ou não à norma legal”.

Jair Bolsonaro também está sendo julgado por vídeos na internet que mostram o parlamentar sendo recepcionado em aeroportos por simpatizantes. Para o MPE, as gravações fazem “clara menção à pretensa candidatura” do deputado. O tribunal agora avalia a retirada dos vídeos.

Em um dos vídeos, o deputado diz que “2018 está muito longe, vamos para a rua a partir de agora. A presença de todos ajudará para mostrar que nós não estamos a favor dessa ‘canalhada’ que está no poder”. Somente o relator do caso, o ministro Napoleão Nunes, votou e ele diz não ter visto propaganda eleitoral antecipada nos vídeos.

O processo do deputado está parado após o ministro Admar Gonzaga ter feito pedido de vista. Ele deve revelar seu voto nos próximos dias, ainda de acordo com o Estadão.

Prazo

A Lei Eleitoral determina que atos de campanha só podem acontecer a partir do dia 15 de agosto do ano eleitoral. Quem não cumprir a norma pode receber multa de R$ 5 mil a R$ 25 mil.

No entanto, não configuram propaganda eleitoral antecipada a menção a uma pretensa candidatura e a exaltação das qualidades pessoais dos pré-candidatos, desde que não haja pedido explícito de voto. Além disso, é permitida a participação de filiados a partidos ou de pré-candidatos em entrevistas, programas,inclusive com a exposição de plataformas e projetos políticos.

Tanto Bolsonaro como Lula alegam que os vídeos foram feitos por simpatizantes dos políticos e que eles não têm responsabilidade sobre o seu conteúdo, além de dizerem também que não estimulam atos proibidos pela Lei Eleitoral.

De acordo com o TSE, não há questionamentos sobre os presidenciáveis Geraldo Alckmin (PSDB), João Doria (PSDB) e Ciro Gomes (PDT).

Com agências 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTE√öDO RELACIONADO

VEJA MAIS

21-11-2017 Camelot às avessas
21-11-2017 Nova fase da Lava Jato prende ex-gerente da Transpetro
20-11-2017 Seg√≥via assume PF e lamenta disputa com Minist√©rio P√ļblico
20-11-2017 Lula recebeu R$ 27 milh√Ķes em palestras a empreiteiras
19-11-2017 MP tenta anular sess√£o que libertou Picciani e mais 2

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152