Brasília, 21 de Novembro de 2017
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV CâĘmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

LAVA JATO
Cunha nega ter recebido dinheiro para ficar em silêncio 06.11.2017
Divulgação
Cunha prestou depoimento à Justiça

Brasília - O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) disse nesta segunda-feira (5), em depoimento à Justiça Federal em Brasília, que não recebeu dinheiro da empresa JBS para ficar em silêncio.

Os irmãos Joesley e Wesley Batista, do grupo que controla a JBS, disseram ao Ministério Público que receberam o aval do presidente Michel Temer para comprar o silêncio do ex-deputado.
 
Em seu acordo de delação premiada, que está sob investigação, Joesley entregou o aúdio de uma conversa dele com Temer em que o presidente diz "tem que manter isso aí", após o empresário afirmar que está bem com Eduardo Cunha.
 
Segundo a denúncia apresentada pela Procuradoria Geral da República contra Temer por obstrução à Justiça, o presidente se referia à compra do silêncio de Cunha.
 
Cunha chamou a denúncia dos irmãos Batista de "forjada" e disse que foi uma tentativa de "pegar" o mandato de Temer.
 
“Não existe essa história de dizer que eu estou em silêncio ou que eu vendi o meu silêncio para não delatar. Eu atribuo isso [...] para justificar uma denúncia que pegasse o mandato do Michel Temer. Essa é que é a verdade. Deram uma forjada e o Joesley foi cúmplice dessa forjada”, afirmou Cunha.
 
A defesa do presidente da República também vem negando a denúncia, desde que a delação dos irmãos Batista se tornou pública.
 
Cunha disse que conheceu Joesley Batista bem antes do que o empresário afirma. O ex-deputado contou que foi apresentado ao dono da JBS pelo também delator Lúcio Funaro em 2011, e não em 2014, como afirmou o empresário.
 
“Eu comprovo várias relações e encontros com ele. E talvez tenha até mensagens”, declarou durante a audiência.
 
Dificuldades financeiras
 
Preso desde outubro de 2016, Cunha disse que atualmente não possui nenhuma renda. Ele citou o bloqueio dos bens e disse que está passando dificuldades.
 
“Estou em absoluta penúria”, afirmou o ex-deputado. Ele se queixou das dificuldades para bancar os gastos com sua defesa, como o pagamento de honorários ao advogado e das passagens para eles se reunirem em Curitiba, onde ex-deputado está preso.
 
Cunha disse que, por esse motivo, a sua defesa tem sido cerceada e que a sua transferência temporária para Brasília para depor e acompanhar os interrogatórios dos demais réus tem facilitado o contato com seu advogado.
 
Com agências


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTE√öDO RELACIONADO

16-11-2017 Ex-governador do MS é solto após um dia na prisão
14-11-2017 Condenado e solto, Dirceu dança nas barbas da Justiça
12-11-2017 Políticos articulam projetos para barrar combate à corrupção
06-11-2017 Cunha nega ter recebido dinheiro para ficar em silêncio
01-11-2017 Porandubas Políticas
01-11-2017 Fachin manda para Moro den√ļncia do n√ļcleo do PMDB
VEJA MAIS

21-11-2017 Camelot às avessas
21-11-2017 Nova fase da Lava Jato prende ex-gerente da Transpetro
20-11-2017 Seg√≥via assume PF e lamenta disputa com Minist√©rio P√ļblico
20-11-2017 Lula recebeu R$ 27 milh√Ķes em palestras a empreiteiras
19-11-2017 MP tenta anular sess√£o que libertou Picciani e mais 2

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152