Brasília, 21 de Novembro de 2017
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV CâĘmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

LAVA JATO
CPI da JBS quer anular delação de Wesley e Saud 09.11.2017
Divulgação
CPI n√£o conseguiu ouvir delatores

Brasília - O presidente da CPI da JBS, senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), ingressou com um pedido de rescisão do acordo de delação premiada firmado pelo empresário Wesley Batista e pelo ex-diretor da empresa Ricardo Saud. O ofício foi encaminhado ao relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, ministro Edson Fachin, e à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, nesta quinta-feira (9).

A medida vai na direção de um dos principais esforços da CPI: criada por deputados e senadores após atingir em cheio o coração de graúdos políticos, a comissão tenta alterar as regras dos acordos de delação premiada, derrubar os efeitos da colaboração da JBS e atua para emparedar o Ministério Público. Até o momento, nenhum político envolvido no caso foi questionado pela comissão de inquérito.
 
No pedido, o presidente da CPI argumenta que os dois delatores se negaram a prestar informações e mantiveram-se em silêncio durante depoimento à comissão que investiga o acordo de colaboração do grupo e os contratos que envolvem a JBS e o BNDES.
 
Ataídes sustenta que, apesar da prisão dos dois executivos, o acordo firmado por eles tem plena eficácia. Ressalta ainda que no termo da colaboração assinado por Wesley Batista consta que “é dever do colaborador fornecer todas as informações que forem solicitadas no âmbito de investigações penais ou administrativas, dizendo a verdade incondicionalmente”. Ele cita que há determinação de mesmo teor no acordo firmado por Saud com o STF.
 
“Os depoentes não estavam autorizados, sob o prisma negocial do mesmo acordo, a permanecer em silêncio ou a recusarem-se a responder às perguntas da Comissão”, disse, no ofício.
 
Em depoimento nesta quarta-feira, Wesley Batista fez um breve pronunciamento na abertura da sessão, dizendo que delatores estão sendo “punidos e perseguidos” por dizer a verdade e que no país há “colaboradores presos e delatados soltos”. Na semana passada, Saud adotou posição similar e, ao anunciar o silêncio, disse que acabou preso na primeira vez em que sentou para falar a verdade. Os dois não responderam às perguntas dos congressistas.
 
Com agências


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTE√öDO RELACIONADO

21-11-2017 Nova fase da Lava Jato prende ex-gerente da Transpetro
20-11-2017 Seg√≥via assume PF e lamenta disputa com Minist√©rio P√ļblico
20-11-2017 Lula recebeu R$ 27 milh√Ķes em palestras a empreiteiras
19-11-2017 MP tenta anular sess√£o que libertou Picciani e mais 2
18-11-2017 Juízes questionam no STF liberação de Picciani e mais dois
16-11-2017 TRF2 decide pela pris√£o de Picciani e mais 2 deputados
VEJA MAIS

21-11-2017 Camelot às avessas
21-11-2017 Nova fase da Lava Jato prende ex-gerente da Transpetro
20-11-2017 Seg√≥via assume PF e lamenta disputa com Minist√©rio P√ļblico
20-11-2017 Lula recebeu R$ 27 milh√Ķes em palestras a empreiteiras
19-11-2017 MP tenta anular sess√£o que libertou Picciani e mais 2

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152