Brasília, 21 de Novembro de 2017
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV CâĘmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

BRASIL EM CRISE
Recesso do Congresso custa R$ 110 milh√Ķes aos cofres p√ļblicos 19.11.2017
Vin√≠cius Loures/C√Ęmara dos Deputados
Maia n√£o marcou nenhuma sess√£o

Brasília - O "recesso branco" de 11 dias parados, dos deputados e senadores, que esticaram o feriado do dia 15 de novembro, vai custar R$ 110,8 milhões aos cofres públicos. Segundo cálculos da ONG Contas Abertas, o Congresso Nacional gera um custo de R$ 27,7 milhões aos cofres do País a cada dia parado.

Os deputados gozam de privilégios fora de alcance da grande maioria dos brasileiros: salários de R$ 33,7 mil, mais R$ 100 mil para despesas de gabinete, além de carro com motorista, apartamento funcional e plano de saúde exclusivo. Além disso, só precisam comparecer às sessões em Brasília de terça a sexta-feira (raramente há sessões na sexta).

A última sessão na Câmara foi realizada em 10 de novembro. A próxima ocorrerá somente nesta terça-feira 21 (nesta segunda 20, será feriado da Consciência Negra). O feriadão prolongado ocorre a menos de duas semanas de outra folga: a de Finados, quando a Casa parou por quatro dias. E mais: daqui a cinco semanas começa o recesso de fim de ano, com mais de 60 dias sem sessões. Os deputados param na semana do Natal e só voltam pouco antes do Carnaval, para depois emendar outro feriado.

Justificativa

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não marcou sessões de votações no plenário da casa durante toda a semana. Maia deu folga aos parlamentares mesmo em meio à retomada das negociações para votação da reforma da Previdência e com pelo menos oito medidas provisórias (MPs) próximas de perderem a validade. A maioria dessas MPs caducam em 28 de novembro e ainda precisa passar pelos plenários da Câmara e do Senado.

Maia afirma que a semana sem votações não passará má impressão para sociedade, porque a Câmara teria compensado a folga com votações da última segunda até esta sexta-feira, com pauta sobre segurança pública. “Infelizmente o feriado da próxima semana é na quarta-feira”, afirmou, defendendo que as viagens de ida e volta dos parlamentares provocariam “gasto desnecessário”.

Vice-líder do DEM na Câmara, o deputado Pauderney Avelino (AM) ressaltou que os dias sem sessão não significam que os parlamentares não estarão trabalhando. Segundo ele, muitos estarão em Brasília "articulando".

O único deputado que tem comparecido assiduamente à Câmara é Celso Jacob (PMDB-RJ). Ele está preso no Presídio da Papuda, em Brasília, e só pode deixar a cadeia para ir ao Congresso. Para não ficar no presídio, ele vai à Câmara todos os dias, mesmo na folga dos parlamentares.

Com agências 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTE√öDO RELACIONADO

26-01-2014 Dilma e assessores fazem farra p√ļblica em Portugal
VEJA MAIS

21-11-2017 Camelot às avessas
21-11-2017 Nova fase da Lava Jato prende ex-gerente da Transpetro
20-11-2017 Seg√≥via assume PF e lamenta disputa com Minist√©rio P√ļblico
20-11-2017 Lula recebeu R$ 27 milh√Ķes em palestras a empreiteiras
19-11-2017 MP tenta anular sess√£o que libertou Picciani e mais 2

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152