Brasília, 22 de Julho de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

Tiro no pé 30.12.2017

Marco Antônio Pontes

Até quando vive um bom momento o governo Temer consegue estragar tudo.

Não, leitores, não repito frase com que iniciei colunas anteriores. Quem reproduz ações passadas, desastradas são os estrategistas do Planalto e o principal entre eles é o presidente.

O mais recente "tiro no pé" foi a natimorta tentativa de estender um instituto jurídico tradicional, o indulto de Natal, a políticos presos (condenados ou ainda não) por envolvimento em corrupção, entre os quais aliados, ex-assessores e até amigos do presidente.

Recado dado

Michel Temer é ele próprio um jurista, aposentou-se professor de prestigiada universidade, escreveu livros elogiados por seus pares. Conta com a melhor assessoria que o poder oferece, sem restrições senão as ditadas por sua preferência. Como?, então, embarca em canoa tão furada?

Possível explicação encontrei em conversas de bar e seus equivalentes na internet: talvez quisesse afagar amigos, ex-assessores e aliados que passaram o Natal na cadeia, na intenção de salvar-lhes o réveillon.

A não dar certo – tinha que saber que não daria – terá pelo menos enviado a mensagem: "Tentei, não consegui; agora resistam vocês à tentação, nada de delação premiada!".

Discurso político

Ah!, sim, o bom momento. Na quarta-feira passada Temer defendeu a reforma da previdência social em bem articulado pronunciamento, muito diferente do explícito "toma-lá-dá-cá" do articulador parlamentar da vez, o estridente Marun.

Convincentemente, argumentou que interessa aos parlamentares que precisam reeleger-se e aos demais candidatos em 2018 – governadores entre eles – votar quanto antes as mudanças propostas; do contrário terão de haver-se com o desgastante debate ao longo das respectivas campanhas, já que o tema não saíra de pauta.

Algo aprendeu

O recado foi eminentemente político e embutiu a alerta de que o Planalto, ator decisivo na conformação da pauta, manterá o assunto no proscênio e não dará refresco aos divergentes.

Ainda a fazer política como aprendera com os velhos mestres que secundou em quase toda a carreira, o presidente vaticinou: melhor aprovar agora uma reforma palatável, que a sociedade começa a aceitar – pesquisas indicam que a rejeição aos poucos se reverte – do que deixar agravar-se o déficit e ter que enfrentar mudança muito mais drástica.

Greve não é greve

A greve dos policiais militares do Rio Grande do Norte (como antes as da Polícia Civil e agentes penitenciários), segundo explica um oficial da PM doublé de dirigente corporativo, não é greve.

Seus liderados – garante – comparecem todos os dias aos quartéis e apenas se recusam, individualmente, a sair à rua por faltar-lhes tudo – veículos, armas, munições, coletes em bom estado –, além de não receberem salário.

"Detalhe" conclusivo

É justa a revolta ante a inadimplência do estado, provavelmente estará certo o diagnóstico quanto às condições de trabalho. Mas é fazer pouco de nossa inteligência negar que haja coordenação, palavras-de-ordem e comandos a estimular aquelas ações "espontâneas". E menosprezar também a percepção da Justiça Militar e demais órgãos do Judiciário que haverão de examinar o episódio.

Ademais, entre a emissão da mensagem e sua recepção pela opinião pública, tal-vez até favorável, há um detalhe – assim diria o oficial-sindicalista: a lei proíbe paralisações de policiais.

Natal = Vitória

Há clara analogia entre esta greve, qualquer nome se lhe dê, e a que tumultuou Vitória e sua área metropolitana há um ano.

Embora o "óbvio ululante" (apud Nelson Rodrigues) não tenha sido percebido pela chamada grande imprensa: aos principais jornais, revistas, emissoras de tv e rádio não ocorreu comparar as situações e, mais impor-tante, investigar e responder a pergunta que se impõe: o que aconteceu? com os grevistas do Espírito Santo? – os que se escudaram em suas mulheres, irmãs, mães e filhas para ficar nos quartéis enquanto a bandidagem barbarizava a população?

Isonomia (?!)

Aconteceu nada. Pelo menos os noticiários não registraram, desde o fim daquela greve em fevereiro de 2017, efetiva punição aos paredistas ilegais. E justo isso terá es-timulado os transgressores potiguares: se os colegas capixabas ficaram impunes, podem esperar igual tratamento.

Sucesso dos maus

A analogia, reitere-se, é óbvia e enorme o dano da transgressão. Merece até crítica em latim, quem sabe a interessar magistrados, procuradores, delegados que gostam do idioma de Cícero e costumam usá-lo em citações eruditas.

Modestamente lembro só da epígrafe de Fedro, poeta romano, à fábula que tra-duziu do grego Esopo: “Succes malo alicit plures” – algo como “o sucesso dos maus atrai o mal”, interpretação livre baseada em escassos, longínquos estudos de latim; conto com os leitores, especialmente Roldão Simas Filho (cadê você?) e Clemente Rosas, que já me ajudaram em circunstâncias semelhantes, para conferir a sentença.

Descompostura

Eloquente, a descompostura que me endereça o escritor Renato Vivacqua:

– Raramente discordo das reflexões do fraterno amigo [...] mas agora não aguentei: encômios ao poderoso Huck? Não acha um exagero?

Vivacqua reage ao escrevi sobre as chamadas "celebridades" na política, mais precisamente às especulações sobre candidaturas de Joaquim Barbosa, Sérgio Moro e Luciano Huck à Presidência da República.

Errei

Veja, Renato, eu tentava simplesmente constatar que essas e outras "celebridades" de alguma forma angariaram prestígio popular e-ou respeito da opinião pública; não pretendia emitir julgamento de valor, nem compará-las entre si ou com outrem. Po-rém ao reler aquelas notas admito que errei, ao passar a impressão que você muito bem detectou.

Esclareço, mesmo tardiamente, que não coloco o apresentador da TV Globo no mesmo nível de Barbosa ou Moro e penitencio-me se meu texto ensejou essa interpretação. Menos mal que o fraterno Renato tenha sido magnânimo como sempre ao encerrar a mensagem:

– Um abraço, e a admiração continua eterna.

Pecados e pecadilhos

Entre a bronca e o afago o escritor alinha pecados e pecadilhos do “saltitante quarentão”: camiseta de sua loja virtual com dístico a sugerir pedofilia; machismo e grosseria ao entrevistar candidata de concurso de passistas; mesquinharia com o piloto cuja habilidade salvou-o e a família num acidente de avião; apropriação ilegal de espaço público na praia em frente à sua mansão; ligações suspeitas com Joesley Batista; caronas indevidas em avião oficial... – ufa!

Revisor autorizado

O advogado Arnaldo Soter Braga Cardoso é um velho e querido amigo, contemporâneo na Universidade Federal de Juiz de Fora, parceiro nas lutas libertárias da época (lá se vão cinco décadas!) e desde então comparsa (menos habitual do que eu gostaria) de amenas conversas no território livre do bar. Tem plena autoridade para apontar os erros desta coluna, como trocar o nome da filha de um amigo comum, a cidade natal de outro...

Pois ele agora me endereça instigante corrigenda.

Contribuinte feliz

Arnaldo refere-se a minha observação dos vendedores de rua em Cartagena, Co-lômbia, que me pareceram parte da solução para a pobreza que ainda vitima aquele país hoje em eficaz processo de desenvolvimento. Abro-lhe espaço:

– Apenas um reparo [e cita-me]: "Problema pode ser [...] a concorrência desleal, já que ambulantes não pagam aluguéis, impostos [...].

– Hoje os brasileiros, muito felizes – prossegue – podem se dar ao luxo de se registrar como "empresários": MEI – micro empreendedor individual e (que bom!) deixar de ser camelô e pagar imposto.

Remeto à sensibilidade de cada leitor avaliar o grau de ironia da última frase.

Marco Antônio Pontes é jornalista

 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

21-07-2018 Lula, "preso político"
20-07-2018 Melhorias nos terminais ferrovi√°rios do Centro-Oeste
19-07-2018 Centr√£o se afasta de Ciro e fecha acordo com Alckmin
19-07-2018 Centrão escolhe Josué Gomes para vice
18-07-2018 TRF-4 condena mulher de Cunha por uso de propina
18-07-2018 PRP rejeita e general Heleno n√£o ser√° vice de Bolsonaro
VEJA MAIS

21-07-2018 Lula, "preso político"
20-07-2018 Melhorias nos terminais ferrovi√°rios do Centro-Oeste
19-07-2018 Centr√£o se afasta de Ciro e fecha acordo com Alckmin
19-07-2018 Centrão escolhe Josué Gomes para vice
18-07-2018 TRF-4 condena mulher de Cunha por uso de propina

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152