Brasília, 19 de Janeiro de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

LAVA JATO
Moro rejeita mais uma suspeição feita por Lula 06.01.2018
Divulgação
Lula perdeu mais uma para Moro

Brasília - Dez dias antes do Natal, o juiz federal Sérgio Moro barrou nova ofensiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra ele. O magistrado rejeitou, em 14 de dezembro, a segunda exceção de suspeição criminal ajuizada pelo petista e por sua defesa em ação penal sobre supostas propinas da Odebrecht – um terreno de R$ 12 milhões onde seria sediado o Instituto Lula e o apartamento 121, no edifício Hill House, em São Bernardo, vizinho à residência do ex-presidente.

O ex-presidente tem acumulado derrotas na primeira instância e nos tribunais em sua tentativa de tirar processos das mãos de Moro e de Curitiba para se livrar de condenação e de provas que o ligam a esquema de corrupção na Petrobras e a sítio de Atibaia, ao triplex do Guarujá e a propinas de empreiteiras. Até 26 de novembro do ano passado, os advogados de Lula haviam apresentado 10 pedidos para afastar Moro ou tirar os processos da 13ª Vara Federal em Curitiba.

A nova ofensiva é assinada por Lula e por seus advogados. Segundo a exceção de suspeição, Moro teria se tornado suspeito por ter participado, como palestrante, do 4º Evento Anual Petrobras em Compliance, na sede da Petróleo Brasileiro S/A – Petrobras em 8 de dezembro de 2017".

Na ocasião, afirmam o petista e sua defesa, o juiz da Lava Jato aconselhou "o assistente de acusação, no caso a Petrobras, sobre medidas de prevenção e combate à corrupção e a respeito de matérias pendentes de julgamento".

A primeira exceção de suspeição nesta ação foi rejeitada por Moro. “A presente exceção deve seguir a mesma sorte”, afirmou o magistrado na decisão que barrou a segunda ofensiva de Lula.

O juiz anotou que suas declarações, durante o evento da Petrobras, tiveram como base "casos já julgados no âmbito da Operação Lava Jato". A estatal é assistente de acusação do Ministério Público Federal nos processos da Lava Jato.

O magistrado descreveu a Lula e à sua defesa cinco medidas que havia sugerido no evento: proteção contra o loteamento político dos cargos na estatal; realização, aleatória, de averiguações sobre o patrimônio de executivos da Petrobras; imposição da obrigação de que comunicações dos executivos ou empregados da Petrobrás sobre negócios e contratos ocorresse exclusivamente por meio de endereços eletrônicos oficiais; estudo da possibilidade de concessão de prêmios financeiros modestos em contrapartida a comunicações (denúncias) internas da prática de crimes no âmbito da empresa; e averiguações mais profundas sobre os fornecedores da estatal.

“As sugestões apresentadas pelo julgador, além de terem presente somente os casos já julgados, visam o presente e o futuro e não o passado”, afirmou Moro.

“Ao contrário do afirmado falsamente pelo excipiente, não houve qualquer aconselhamento jurídico sobre a forma ou o conteúdo da atuação da Petrobras, como Assistente de Acusação, nas diversas ações penais da qual faz parte perante este Juízo.”

Moro garantiu não ter havido, durante o evento, "qualquer referência a casos em andamento ou pendentes de julgamento, nem houve sequer menção ou qualquer referência aos casos penais aos quais responde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva’.

“Na aludida exposição, este julgador não fez qualquer referência à ação penal ou ao objeto dela ou ainda às acusações que pendem contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ou mesmo ao nome Luiz Inácio Lula da Silva ou ao cargo que ele ocupou no passado”, anotou Moro.

“Importante destacar que, ao contrário do que sugere a defesa, a atuação deste julgador não gira exclusivamente em torno de seu cliente, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sendo ele responsável por diversos outros casos criminais e por outras atividades.”

Gastos

Na decisão, Moro ainda aponta que sua participação no evento ‘"não foi remunerada". De acordo com o juiz, foram pagas pela Petrobras "as despesas de deslocamento e de uma diária de hotel em quarto comum, como é de praxe para convidados de outras localidades".

“Assim, não houve cobrança de qualquer valor pelo julgador. O julgador aceitou participar do evento pois entendeu que poderia contribuir, eventualmente de maneira relevante, com sugestões para aprimorar o sistema de compliance da empresa estatal, o que reputou de interesse público, já que se deve evitar o passado, considerando os casos já julgados, no qual ela foi vitimada por crimes praticados por agentes públicos e políticos inescrupulosos”, registrou.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

20-01-2018 A velha esquerda
17-01-2018 Porandubas Políticas
17-01-2018 MPF pede condenação de Guerner, Bandarra e Durval
17-01-2018 Lula ataca presidente do TRF-4 e o juiz Moro
12-01-2018 Porandubas Políticas
15-01-2018 Presidente do TRF-4 discute segurança em julgamento de Lula
VEJA MAIS

19-01-2018 Pecu√°ria brasileira verde
19-01-2018 Serra avisa que n√£o disputar√° elei√ß√Ķes este ano
19-01-2018 Temer nega ter autorizado Rocha Loures a receber propina
19-01-2018 Cabral já está em Curitiba e vai hoje para presídio
18-01-2018 Caixa deve limitar indica√ß√Ķes pol√≠ticas para dirigentes

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152