Brasília, 22 de Fevereiro de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

O país avacalhado 03.02.2018
André Gustavo Stumpf
 
Algumas ações de segurança pública tangenciam o ridículo. No Rio de Janeiro, o seminário “O futuro começa hoje, ações da PMERJ - 2018” foi realizado na semana passada, quando os tiroteios interrompiam o trânsito em diversos locais da cidade, especialmente na linha amarela. Os doutos debatedores discutiram a perspectiva da segurança pública enquanto o presente estava escancarado na frente das autoridades. Patético. Clima de guerra. Armamento pesado. Os cidadãos, perplexos, não sabiam para onde correr. O Estado não lhes dá apoio, nem perspectiva.
 
O ministro da Defesa, Raul Jungmann disse, com sinceridade, que o modelo de segurança do país está falido porque as ações do crime organizado se nacionalizaram e ultrapassaram fronteiras. Suas palavras revelam o desastre das administrações nacionais e estaduais nos últimos anos. Nada do que tem ocorrido aconteceu por obra do acaso. O tráfico se estabeleceu passo a passo. O movimento ocorreu à luz do dia nas últimas décadas. De repente, autoridades descobrem a necessidade de contar com defesa aérea eficiente, policiar rodovias e criar a Polícia Federal Marítima.
 
Ainda há tempo para ação mais dura. O Brasil possui três vizinhos que são conhecidos como os maiores produtores e exportadores de cocaína. Bolívia, Colômbia e Peru. A Venezuela protege o tráfico. A droga precisa passar pelo território brasileiro para chegar à Europa, ou seguir para a Guiana e de lá para a Holanda. São rotas previsíveis. Acontece que o brasileiro passou a ser importante consumidor da droga. O mercado nacional se expandiu. Em tempo de carnaval, os controladores das bocas de fumo ficam indóceis. Turistas nacionais e estrangeiros multiplicam o mercado. O resultado é a guerra entre os grupos rivais nas disputas pelos melhores pontos de venda.
 
Ano passado, ocorreu coisa semelhante na Rocinha durante o Rock in Rio. Impressionante é que os governos não consigam sair da teoria para a prática. Já se sabe que as policias são corruptas, foram devassadas pelos traficantes. Não apenas no Rio, mas em todo o país. As sucessivas rebeliões em presídios demonstram que o poder não controla nada. Traficantes presos em Rondônia coordenam ações na zona sul carioca. Grupos que controlam prisões no norte do país se envolveram em política e financiaram até candidatos a governos de estado. O Governo Federal enviou tropas militares para garantir a lei em onze Estados. Não resultou em nada de positivo.
 
Promover intervenção das forças armadas é decisão perigosa. Os soldados são usualmente conscritos, jovens, que não possuem nenhuma experiência para tratar dos males urbanos. Eles ficam expostos à doce conversa dos traficantes. O governo pode perder mais do que ganhar com essas decisões. A operação de Forças Armadas precisam se voltar para a defesa do território nacional, que está inteiramente exposto a todo tipo de tráfico ou contrabando. As fronteiras secas são abertas, com policiamento realizado por corajosos militares e policiais federais que trabalham isolados no meio da selva. Basta um passo para entrar no Brasil. E não há nenhuma proteção pelo mar. A costa brasileira é imensa. Se ocorrer invasão estrangeira, o governo de Brasília vai levar algum tempo para entender o que aconteceu.
 
A violência nas principais cidades do Brasil é assunto recorrente. Os governos nos últimos anos se especializaram em destruir a máquina administrativa nacional. Roubaram e desviaram o que puderam. O brasileiro se desmoralizou. Não há mais certo e errado. Os advogados de Lula argumentam, a sério, que ele não pode ser preso, nem impedido de se candidatar porque se trata de ex-presidente da República. Sugerem que as leis não o atingem. O desrespeito à lei começa no nível mais elevado, chega lá embaixo como completa bagunça. Toda a administração está contaminada. Inclusive a polícia.
 
A quase ministra Cristiane Brasil contribuiu para a devastação da imagem nacional. Apareceu ao lado de gogoboys, numa lancha, possivelmente na região de Angra dos Reis, em plena farra, e defendeu suas razões para assumir o Ministério do Trabalho. Tudo errado, hora, local e ambiente. Mas ela não se incomoda. É o retrato do que a política fez com o Brasil. Avacalhou o país. A história nacional é uma sucessão de golpes, contra golpes, revoluções e mortes. Sangue para todo lado. Esta é a tradição. Há muitos séculos, o general romano Sérvio Galba disse dos lusitanos: “Há nos confins da Ibéria um povo que nem se governa nem se deixa governar”. Ele anteviu a crise brasileira.

André Gustavo Stumpf, jornalista.


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

21-02-2018 Ex-procurador foi avisado de operação com antecedência
21-02-2018 Fora da pris√£o, Wesley Batista vai usar tornozeleira
21-02-2018 Dirceu vira r√©u mais uma vez por propinas de R$ 2,4 milh√Ķes
21-02-2018 Marinha inicia fase de integração de submarinos
21-02-2018 Senado aprova intervenção e medida vale até fim do ano
20-02-2018 Jefferson desiste da indicação de Cristiane Brasil
VEJA MAIS

21-02-2018 Ex-procurador foi avisado de operação com antecedência
21-02-2018 Fora da pris√£o, Wesley Batista vai usar tornozeleira
21-02-2018 Dirceu vira r√©u mais uma vez por propinas de R$ 2,4 milh√Ķes
21-02-2018 Marinha inicia fase de integração de submarinos
21-02-2018 Senado aprova intervenção e medida vale até fim do ano

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152