Brasília, 22 de Fevereiro de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

Direita desinibida,esquerda constrangida 11.02.2018

Marco Antônio Pontes

 

Mercado de cara feia

 
Pegou mal, muito mal a reação do mercado – o deus ex machina do capitalismo – que fez despencar as bolsas de valores no início desta semana. O movimento ocorreu tão logo se anunciou, nos Estados Unidos, que os ganhos dos assalariados crescem sustentavelmente e a economia aproxima-se do pleno emprego.
Quer dizer: o capitalismo não admite sequer ensaio de avanço social; ao menor sinal o mercado faz cara feia e manda seu recado: assim, não!, podem parar.
 
Esquerda silente,...
 
Não encontrei na imprensa abordagens do fenômeno sob tal enfoque. Esperava-as de articulistas de esquerda, a perceber a notória contradição do capitalismo que lhe desmente tese tão cara – a de que sob sua égide estabelece-se o crescimento econômico e com ele o círculo virtuoso que tira as pessoas da pobreza e melhora a vida de todos.
 
...constrangida e...
 
Os pensadores da esquerda brasileira deveriam atentar para o que realmente serve a seus objetivos, se é que ainda defendem o primado da justiça social sobre outras considerações político-econômicas.
Em vez disso parecem constrangidos, preocupados em justificar até para si mesmos tanto tempo de engano com Lula e seu partido, nos quais apostaram tudo sem perceber que o populismo petista tem nada a ver com o ideal socialista.
Isso quando não perseveram na ilusão e seguem a defender o ex-presidente até da Justiça que legitimamente o condena, sem sequer admitir o trágico equívoco.
 
...imobilizada
 
O mais grave é que o pensamento de esquerda carece entre nós de quem lhe dê livre curso, exponha ideias e promova-lhes o debate amplo, irrestrito, sem medo de confrontar a direita – enquanto esta livra-se de antigos complexos e já não oculta o nome.
A esquerda, ao contrário, aprisiona-se em duplo impasse: o autoengano da recente aposta e o antigo, não purgado arrependimento de não se haver livrado a tempo do stalinismo, populismo à moda soviética cuja truculência destruiu o ‘socialismo’ mui erroneamente chamado ‘real’.
 
Direita desinibida...
 
Com raia livre, a direita que assumiu o poder faz valer as próprias teses.
Seu governo cambaleia na precária travessia da “pinguela” – como batizou o aliado Fernando Henrique a pretenciosa “ponte para o futuro” –, é recordista em impopularidade e acusado de corrupção.
Embaraça-se também na incompetência, mas consegue emplacar uma nova etapa da ‘modernização conservadora’ do indigente capitalismo brasileiro.
 
...promove retrocessos
 
Afora o duro ajuste neoliberal nas contas malversadas pelos erros do interregno petista e a insistência em mais do mesmo que não tem dado certo aqui nem alhures o governo conservador favorece, ao menos por omissão, trágicos retrocessos no desenvolvimento sustentável, no trato dos assuntos indígenas, nas questões ditas ‘comportamentais’.
 
Esquerda confusa...
 
Enquanto isso a esquerda escolhe mal os aliados e adversários, confunde-se entre o que apoiar ou combater. Não se livra do ônus de defender o populismo nem da oposição sistemática ao governo conservador, atrelada ao PT que só pensa ‘naquilo’: adiar a prisão de Lula, a consumação de sua inelegibilidade e salvar o que puder do desastre nas próximas eleições.
 
...defende ‘pelegos’
 
Nem percebe, a esquerda, que ao opor-se radicalmente a mudanças nas ultrapassadas leis do trabalho, por exemplo, em vez de propor-lhes alternativas condizentes com seu ideário, só faz associar-se ao passado populista, ao anacrônico ‘peleguismo’ do imposto sindical e outros instrumentos paternalistas, alienantes e desmobilizadores dos movimentos progressistas.
 
Alternativa à direita
 
Dá-se o mesmo quanto à reforma da Previdência Social. A esquerda opõe-se a qualquer mudança e faz o jogo das corporações ditas sindicais enquistadas no aparelho estatal, aferradas a benefícios socialmente iníquos. Sequer cogita alternativas à proposta da direita, que por definição privilegia o capital.
Ao negar o rumo suicida das contas previdenciárias, seu caráter injusto e a urgência do problema, serve só aos caos e ao ‘quanto pior, melhor’ do discurso petista.
 
Noblesse atribuída
 
Comove-me o carinho de Teresa Neves Tavares:
– Por intermédio de um amigo [...] tenho lido seus belos escritos, que matam a saudade do Brasil. Vivo há dois anos em Paris, em pós-graduação [...]. Gostei muito de sua resposta em francês: sintética e nobre, quando foi cobrado por um leitor. ‘Noblesse oblige’ [...] expressa mais que a tradução literal [...] ‘nobreza obriga’. Significa ‘quem é nobre tem que agir como tal’.
Obrigado!, Teresa. Se escorrego no latim, é bom saber que acerto em francês. Ainda mais se me atribui... noblesse.
 
Contra regras
 
Onestaldo Silva Pinto, que se apresenta “professor de Língua e Literatura Portuguesa e Brasileira”, questiona-me as afirmações sobre o uso dos pronomes e em defesa da forma culta da escrita em português, conforme os cânones; discorda deste hu-milde escriba e dos cânones; transcrevo-lhe a opinião:
– A língua é viva e evolui, não pode se prender a preconceitos passadistas e elitistas, tem que se acomodar ao palavreado do povo que é seu dono e senhor. Que se danem as regras! Se as pessoas usam o seu sagrado pronome oblíquo átono antes ou depois do verbo os gramáticos é que devem se adaptar à maioria e mudar as normas.
 
Nome inspirador
 
Agradeço-lhe a participação, professor. E permita-me revelar admiração pelo seu nome, tradicional na cultura ibérica – se não me engano originado dos visigodos, um dos povos habitaram a península antes da dominação romana.
Explico: até receber sua mensagem só lhe conhecera dois homônimos. Com um deles convivi da juventude, é filho de um amigo-irmão de meu pai, como você cultor do idioma de Camões; infelizmente perdi contato com a família, inspiradora convivência.
 
Shakespeare por Onestaldo
 
Do outro só pela obra tenho notícia, mas não o perco de vista: leio-lhe frequentemente o nome, ao revisitar nas estantes da velha casa familiar em Rio Novo os livros de Shakespeare que me encantaram a juventude, traduzidos pelo literato português Onestaldo Penaforte.
Por décadas foi único tradutor do Bardo a nosso idioma, ainda hoje não sei de outro que enfrentasse toda a extensa obra. Mais recentemente descobri, ao assistir à encenação, que Shakespeare teve pelo menos uma de suas peças vertida ao português por Millôr Fernandes.
 
Preservação da cultura
 
Entretanto, professor Onestaldo, receio não estender a admiração que dedico ao nome a suas opiniões sobre o próprio metier. Reitero o dito na semana passada: expressão oral e escrita são necessariamente diversas e as normas gramaticais devem ser respeitadas, a bem da preservação da riqueza do idioma e da cultura luso-brasileira.
 
Comunicação facilitada
 
Ademais a escritura culta – descarto simplificações a sugerir elitismo – unifica a comunicação entre brasileiros de falares não exatamente iguais e facilita o intercâmbio com outros povos de expressão portuguesa – de Cabo Verde, Guiné, São Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique – terei omitido alguma nação-irmã africana? – e do Timor Leste; de Portugal, claro, onde se gestou o idioma e até dos escassos, persistentes lusófonos de outras ex-colônias asiáticas: Goa, Damão, Diu, Macau.
 
Endosso precioso
 
Nisto aprendo com Clemente Rosas, autor de artigo sobre o tema que comentarei em próxima edição – dou um tempo a releituras e melhor apreensão das lições. Antecipo: o que escrevi talvez possa apoiar-se nas teses do brilhante intelectual.
 
Marco Antônio Pontes é jornalista
 
 


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

21-02-2018 Ex-procurador foi avisado de operação com antecedência
21-02-2018 Fora da pris√£o, Wesley Batista vai usar tornozeleira
21-02-2018 Dirceu vira r√©u mais uma vez por propinas de R$ 2,4 milh√Ķes
21-02-2018 Marinha inicia fase de integração de submarinos
21-02-2018 Senado aprova intervenção e medida vale até fim do ano
20-02-2018 Jefferson desiste da indicação de Cristiane Brasil
VEJA MAIS

21-02-2018 Ex-procurador foi avisado de operação com antecedência
21-02-2018 Fora da pris√£o, Wesley Batista vai usar tornozeleira
21-02-2018 Dirceu vira r√©u mais uma vez por propinas de R$ 2,4 milh√Ķes
21-02-2018 Marinha inicia fase de integração de submarinos
21-02-2018 Senado aprova intervenção e medida vale até fim do ano

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152