Brasília, 25 de Setembro de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

Equívocos dos que só pensam "naquilo" 24.02.2018

Marco Antônio Pontes

 

De novo!

 
Até quando acerta o governo Temer erra e...
Mal iniciei a frase parei, dei-me um tempo ante a impressão de que me repetia e constatei: de fato começara assim uma coluna.
Então percebi que o fizera mais de uma vez, enfim descobri que se repete não o colunista porém o governo, que acumula erros mesmo se faz a coisa certa – a melhor dizer, quando age conforme seus objetivos e interesses.
 
Forma equivocada
 
Retomo, pois, a crítica: a decisão de intervir na segurança pública do Rio, de prometer aos fluminenses efetivo combate ao crime e resgate do caos a que os condena-ram a imprevidência e incompetência de sucessivos governos locais e nacionais, serve aos propósitos do Planalto; a forma de implementá-la, porém, embute equívocos capazes de comprometer a obtenção dos objetivos e embaçar a imagem que se quer lustrar.
 
Excesso de zelo
 
O Planalto exagerou a necessária reserva na gestação da iniciativa ao excluir do processo os presidentes do Senado e da Câmara – sobretudo o deputado Rodrigo Maia, eleito pelo Rio e filho de César Maia, político com sólidas bases no estado e um dos poucos à margem do lamaçal em que afundaram os líderes fluminenses.
 
Faltou combinar
 
Ademais a surpreendente medida, a primeira desta natureza na vigência da Constituição de 1988 e raros antecedentes na história – só me lembro da deposição do governador de Goiás, Mauro Borges Teixeira, nos anos 1960 e em circunstâncias muito diversas, sob a então nascente ditadura – não se precedeu de formulações quanto a seus desdobramentos, uma estratégia mesmo preliminar para desencadear as ações.
Tampouco combinou com as Forças Armadas seu papel no processo, gerando constrangimentos. Por isso o general Valter Braga Neto, que liderará a intervenção, es-teve tão pouco à vontade na solenidade em que o governo deflagrou-a.
 
Plano apressado
 
Grotesco, imperdoável foi o ‘drible a mais’ que reduziu, em vez de incrementar a repercussão favorável que o governo esperava, inclusive para deixar em segundo plano a derrota na reforma a Previdência Social.
A tentativa de cortejar o mercado com medidas legislativas de fins alegadamente coincidentes, sem combinar com os presidentes do Senado e da Câmara, motivou já na partida ásperas respostas de ambos.
Dificilmente dará certo, o apressado ‘plano B’.
 
Só pensam ‘naquilo’
 
Claro está que tudo isso é parte dos jogos preliminares das eleições do próximo outubro. O presidente Temer quer capitalizar-se para ao menos influir, quem sabe pro-tagonizar uma candidatura do MDB ao Palácio do Planalto, Rodrigo Maia articula apoios com análogo objetivo, aos poucos a rivalidade fala mais alto que os interesses comuns. E, claro, como todos os demais políticos eles ‘só pensam naquilo’ – eleição.
 
Era nada disso...
 
Pensemos, então, ‘naquilo’. Na coluna Brasília-DF (Correio Braziliense, 10.02) Denise Rothenburgh levanta uma hipótese interessante.
Segundo suas fontes – pessoas ligadas a Fernando Henrique que participaram da recente conversa em que o grão-tucano estimulou uma eventual candidatura de Luciano Hulk –, a ideia seria lançar o apresentador global não à Presidência da República mas ao governo do Rio, pelo PSDB.
Parece razoável, mas caberia perguntar: por quê? Fernando Henrique não diz claramente o que pretende?
 
Oportunismo?
 
A colunista mal insinua a pergunta e deixa-a no ar. Como se a respondesse, César Fonseca sugere explicação surpreendente:
o ex-presidente seria deliberadamente ambíguo, quereria inviabilizar candidatos entre os correligionários para que restasse só um – ele; teria afinal encontrado a oportu-nidade com que sonha desde que deixou o Planalto.
Recomendo o artigo, está no site Independência Sul-Americana.
 
Renovação ‘espiritual’
 
Avaliem os leitores se não faz sentido. O tucanato divide-se até na disputa pelo ‘sacrossanto’ (lá, deles) governo paulista, Alkmin não decola nas pesquisas, o chamado centro político desespera-se na busca de presidenciável competitivo, a sucessão volta à estaca zero com a inviabilização de Lula... Assim a renovação política pregada por Fer-nando Henrique dar-se-ia com ele mesmo, “que se julga espiritualmente jovem” – anota Fonseca.
 
Informação sonegada,...
 
E por falar em sondagens pré-eleitorais, a imprensa sonega informação preciosa obtida nas pesquisas ditas ‘espontâneas’, nas quais se pergunta ao eleitor algo assim: “Já escolheu candidato(a) a presidente da República? Caso tenha escolhido, em quem vai votar?”
Só mostra, a mídia, o resultado ‘estimulado’, que resulta da apresentação de lista com os possíveis candidatos – a esta altura óbvia indução a escolhas precipitadas.
 
...avaliação prejudicada
 
Ao lado dos índices de rejeição, também menosprezados nos noticiários, as res-postas ‘espontâneas’ são decisivas para avaliar a predisposição do eleitorado sobretudo nas fases iniciais de campanha, em que candidaturas têm muito de especulação.
Por exemplo, na última sondagem Datafolha o pouco que consegui desses dados indica que os autodeclarados candidatos Lula e Bolsonaro teriam ‘espontaneamente’ menos que a metade das intenções ‘estimuladas’ de voto e reduzir-se-ia mais que pro-porcionalmente a distância que os separa de outros postulantes – Marina, Ciro, Alkmin...
 
Aposta perdida
 
Já apostei em José Eduardo Cardozo como um dos refundadores do PT; mais que isto, da (re?)criação de um partido realmente progressista no imprevisível cenário da esquerda pós-Lula, a que emergirá da debacle petista. Mas sua entrevista a Miriam Lei-tão (GloboNews, 15.02) revela que em vez de partícipe da construção do futuro ele con-tinua defensor do que já passou – hoje de Lula, dos crimes por que a Justiça o condena, como antes – e antes mesmo de deixar com ela o governo para representá-la formalmente – tentou isentar Dilma dos que resultaram no impeachment.
 
Distorções, mentira
 
Cardozo descredenciou-se ao fingir admitir erros (crimes?, nem pensar) do PT e desdizer-se ao remetê-los a um conjunto impreciso “de equívocos da política brasileira” – o velho vezo de justificar-se com os erros alheios.
Pior que distorcer, mentiu ao negar evidência atual e histórica: para ele o PT não apoia nem apoiou o grotesco Maduro, projeto de ditador da Venezuela.
 
Pautas esdrúxulas, obscenas
 
Uma querida amiga vê com reservas a ideia de convocar-se assembleia consti-tuinte (escreveu-me particularmente, por isso não lhe digo o nome). Após citar anedota que leu no Facebook (“Depois de sediarmos a Copa, as Olimpíadas, nos preparamos para sediar a Idade Média”), ela adverte:
– Meu grande medo [...] é de que essa direita fundamentalista e barulhenta con-siga incluir na constituinte todas as pautas esdrúxulas e obscenas [...] que desrespeitam a convivência sadia, em que ideias e pontos de vista divergentes sejam acolhidos e res-peitados.
 
Fundamentalista e barulhenta
 
De fato haveria tal risco numa eventual constituinte. Entretanto a pauta perversa apontada pela amiga, mais que ameaçar, já nos vitima justo agora.
A “direita fundamentalista e barulhenta”, a representada no governo e a que tenta assaltar o estado, já impõe ensino religioso nas escolas públicas enquanto retira questões de gênero e análogas da base nacional curricular; por pouco (vá a caricatura) não revogou a Lei Áurea; vale-se dos influxos da anomalia intelectual e moral que as-sumiu o poder nos EUA para promover retrocessos nas questões que envolvem o meio ambiente, os índios...; houve até um juiz que tentou obrigar psicólogos a ‘curar’ (!) ho-mossexuais...
 
Assembleia ‘vacinada’
 
Por isso inclino-me à talvez utópica ideia de constituinte exclusiva, nos termos em que a propuseram os juristas citados com maestria pelo jornalista Ruy Fabiano e reproduzi aqui.
Seria exclusiva porque seus membros reescreveriam a Constituição e nada mais, não se confundiriam com o Congresso nem a ele aspirariam em legislatura subsequente, entre outras peculiaridades. Assim poderia atrair gente disposta a pensar o Brasil sem interesses outros, nem mesmo os legítimos, quanto mais os subalternos.
O que poderia ‘vacinar’ a assembleia contra as pautas “esdrúxulas e obscenas”.
 
Marco Antônio Pontes é jornalista
marcoantoniodp@terra.com.br
 
 


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

24-09-2018 Justiça condena Arruda a 7 anos e 6 meses de prisão
24-09-2018 Qual √© a relev√Ęncia dos presidenci√°veis nas redes sociais?
24-09-2018 Pesquisa do BTG mostra Bolsonaro com 33% e Haddad 23%
24-09-2018 Os Jo√Ķes no po√ßo
24-09-2018 Toffoli assume Planalto com viagem de Temer aos EUA
24-09-2018 Agressor de Bolsonaro agiu sozinho, reforça PF
VEJA MAIS

24-09-2018 Justiça condena Arruda a 7 anos e 6 meses de prisão
24-09-2018 Qual √© a relev√Ęncia dos presidenci√°veis nas redes sociais?
24-09-2018 Pesquisa do BTG mostra Bolsonaro com 33% e Haddad 23%
24-09-2018 Os Jo√Ķes no po√ßo
24-09-2018 Toffoli assume Planalto com viagem de Temer aos EUA

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152