Brasília, 13 de Dezembro de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

LAVA JATO
Cunha tenta tirar de Fachin inquérito sobre PMDB 04.03.2018
Divulgação
Cunha quer novo relator no STF

Brasília - A defesa do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB), condenado na Lava Jato, entrou com um novo recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que o inquérito que investiga o suposto repasse de R$ 10 milhões da Odebrecht para financiar as campanhas do PMDB, em 2014, saia da relatoria do ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF.

O pedido foi feito no mesmo dia em que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, solicitou a inclusão do presidente Michel Temer (PMDB) entre os investigados no inquérito. Apesar de não ser parte neste inquérito, esta já é a segunda vez que a defesa de Cunha pede ao Supremo para redistribuir o processo. O primeiro pedido foi negado pela presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, em 22 de fevereiro.

Ao insistir no pedido, os advogados Délio Lins e Silva, Délio Lins e Silva Jr e Larissa Lopes Bezerra, alegam que os episódios investigados neste inquérito “em nada se comunicam, seja por conexão ou por continência, com os contratos, em tese, ilícitos firmados pelas diretorias da Petrobras. "É imperioso concluir que a manutenção da prevenção ao Ministro Edson Fachin se deu de maneira flagrantemente equivocada”, diz a peça. Na sexta-feira, o ministro Edson Fachin acatou o pedido da PGR e incluiu o presidente Temer entre os investigados no inquérito, que também inclui os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência).

A suspeita é de que a Odebrecht teria pago propina para ser favorecida em decisões da Secretaria de Aviação Civil, na época comandada por Moreira.

Pela Constituição, o presidente da República, na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício de suas funções.

Para Fachin, a regra não impede a investigação, e sim eventual condenação. Ele concordou com o argumento apresentado por Dodge de que, se a investigação não for levada adiante agora, as provas poderão se perder.

Delações

A investigação foi aberta a partir do depoimento de seis delatores da Odebrecht. “Os referidos colaboradores apontaram, em declarações e provas documentais, que integrantes do grupo político liderado pelo presidente daRepública Michel Temer e pelos ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco teriam, em 2014, recebido recursos ilícitos da Odebrecht em contrapartida ao atendimento de interesse deste grupo pela Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República, órgão titularizado pelos dois últimos investigados sucessivamente entre os anos de 2013 e 2015”, escreveu Dodge no pedido encaminhado ao STF.

Dodge lembrou que, em depoimento, o delator Cláudio Melo Filho citou um jantar realizado no Palácio do Jaburu, com a participação do então vice-presidente, supostamente para discutir a divisão de valores destinados ao PMDB.

Já o presidente do grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, disse em delação premiada que a empresa destinou R$ 10 milhões a Temer, a Padilha e ao presidente da Fiesp, Paulo Skaf, na campanha eleitoral de 2014. O acordo teria sido acertado em um jantar com a presença de Temer, Padilha, Marcelo e Cláudio. Marcelo diz que Temer nunca mencionou o valor a ele.

Com agências 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

23-11-2018 Lava Jato apura corrupção em obra da Petrobras na Bahia
12-11-2018 Ministro do STJ manda soltar Joesley e mais 17
10-11-2018 Joesley mentiu e ocultou fatos em delação, afirma PF
09-11-2018 PF prende vice-governador de MG, Joesley e mais 10
05-11-2018 Onix cria 10 grupos técnicos para conduzir transição
08-10-2018 Senado não reelege caciques e enfrenta forte renovação
VEJA MAIS

13-12-2018 C√Ęmara Legislativa vota or√ßamento de R$ 42 bilh√Ķes
13-12-2018 PF faz buscas no Ministério do Trabalho para apurar desvios
12-12-2018 Porandubas Políticas
12-12-2018 Comiss√£o da C√Ęmara aprova fim do foro privilegiado
12-12-2018 Caciques tucanos perdem paciência e querem Aécio fora

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152