Brasília, 18 de Outubro de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

LAVA JATO
Bumlai se reuniu com Delfim para discutir Belo Monte 12.03.2018
Divulgação
Bumlai contou detalhes do encontro

Brasília - O pecuarista José Carlos Bumlai relatou à Polícia Federal que encontrou-se com o ex-ministro Antonio Delfim Netto (Fazenda/ditadura militar), alvo maior da Operação Buona Fortuna, 49ª fase da Lava Jato, no hotel Maksoud Plaza, em São Paulo, em meados de 2010. Na pauta da reunião, a construção da Usina de Belo Monte.

A Buona Fortuna, deflagrada nesta sexta-feira, 9, fez buscas na casa e no escritório de Delfim Netto. A Operação Lava Jato afirma que o poderoso ex-ministro do milagre econômico recebeu R$ 15 milhões em propinas de empreiteiras que fizeram parte das obras da usina. Deste total, R$ 4,4 milhões já foram rastreados.

O depoimento de Bumlai foi prestado em 21 de dezembro de 2015. Ele relatou que, cinco anos antes, havia recebido "um telefonema de Antonio Delfim Netto ou de Delcídio do Amaral (ex-senador)" solicitando que ele fosse a uma reunião em "um quarto no hotel Maksoud Plaza".

“Dias após, no hotel, estavam presentes Delcídio do Amaral, Antonio Delfim Netto e Luiz Appolonio Neto (sobrinho do ex-ministro da ditadura); que a presença do reinterrogando (Bumlai) se devia ao fato de que possuía ampla experiência no setor de engenharia hidráulica”, contou à PF.

Bumlai disse que foram discutidos "assuntos políticos diversos". Segundo o pecuarista, Delfim Netto falou sobre "a questão da formação de consórcios envolvendo a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte".

“Delfim disse ao reinterrogando que o governo tinha interesse em montar um segundo consórcio; que Delfim disse que teria sido procurado para montar o segundo consórcio e que este tentaria economizar R$ 15 bilhões para a obra; diante deste panorama Delfim pediu que o reinterrogando lhe ajudasse”, narrou Bumlai.

Mensageiro

Delfim Netto, afirmou o pecuarista, disse que mandaria uma pessoa conversar com ele sobre a formação do consórcio. À Polícia Federal, o pecuarista disse que se encontrou com um empresário que lhe ofereceu "uma cota do negócio". Bumlai declarou que "prontamente recusou".

“Após a ocorrência do leilão o reinterrogando se afastou do cenário”, aponta o depoimento.

José Carlos Bumlai declarou à PF que "um amigo" contou a ele "que Delfim Netto teria recebido um percentual de comissão pela formação do consórcio". O pecuarista relatou que, após saber da "comissão" a Delfim, "solicitou a designação de uma reunião" com um executivo da Andrade Gutierrez.

“A reunião tinha por objetivo que o reinterrogando perguntar ao presidente da Andrade Gutierrez Energia se tinha sido pago comissão a Antonio Delfim Netto; que o reinterrogando desejava cobrar o pagamento de comissão para ele, uma vez que também teve participação na formação do consórcio”, narrou Bumlai.

Segundo o pecuarista, o executivo da Andrade Gutierrez "disse que já tinha cumprido todos os compromissos referentes à construção da Usina de Belo Monte, inclusive os de cunho político".

Na avaliação do procurador Athayde Ribeiro Costa, da força-tarefa da Lava Jato, a "consultoria" do ex-ministro Delfim Netto "na verdade constituiu uma fraude ao leilão". Segundo o procurador, "não se apurou vantagem indevida" a Bumlai, que não foi alvo da Buona Fortuna.

“Delfim Netto, em conjunto a Bumlai, ajudou o governo federal a estruturar o consórcio Norte Energia, que foi formado por diversas empresas que a rigor não teriam capacidade para o empreendimento. Em virtude dessa ajuda que, na verdade, constituiu uma fraude ao leilão, Delfim Netto foi angariado com o direcionamento das vantagens indevidas que (Antonio) Palocci (ex-ministro dos Governos Lula e Dilma) havia pedido ao PT e ao MDB”, declarou o Athayde Ribeiro Costa.

Defesas

Os advogados que defendem Delfim afirmam: “O professor Delfim Netto não ocupa cargo público desde 2006 e não cometeu nenhum ato ilícito em qualquer tempo. Os valores que recebeu foram honorários por consultoria prestada.”

A defesa de Luiz Appolonio Neto, representada pelo advogado Fernando Araneo, sócio do Leite, Tosto e Barros Advogados, “refuta veementemente as acusações e esclarece que sua vida profissional sempre foi pautada pela legalidade”.

Em nota, o MDB afirma que "não recebeu propina nem recursos desviados no Consórcio Norte Energia. Lamenta que uma pessoa da importância do ex-deputado Delfim NetTo esteja indevidamente citado no processo. Assim, como em outras investigações, o MDB acredita que a verdade aparecerá no final."

Também em nota, o PT ataca a Lava Jato: "As acusações dos procuradores da Lava Jato ao PT, na investigação sobre a usina de Belo Monte, não têm o menor fundamento. Na medida em que se aproximam as eleições, eles tentam criminalizar o partido, usando a palavra de delatores que buscam benefícios penais e financeiros."

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

12-03-2018 Bumlai se reuniu com Delfim para discutir Belo Monte
10-03-2018 Dilma era o "peixe grande" no esquema de Belo Monte
09-03-2018 Palocci intermediou R$ 15 milh√Ķes para Delfim Netto
09-03-2018 Lava Jato bloqueia bens do ex-ministro Delfim Netto
27-09-2016 O terceiro beijo no poderoso dom Paló
21-08-2016 Delfim admite ter recebido R$ 240 mil da Odebrecht
VEJA MAIS

17-10-2018 Bolsonaro diz que avaliação médica define ida a debates
18-10-2018 Porandubas Políticas
18-10-2018 Centr√£o reage contra apetite de bolsonaristas na C√Ęmara
18-10-2018 Ibaneis chega a 75% dos votos v√°lidos no DF
17-10-2018 PF indicia Temer e filha por corrupção e lavagem

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152