Brasília, 24 de Março de 2019
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

CLIMA TENSO
Presidenciáveis condenam ataques à caravana de Lula 28.03.2018
Divulgação
Ônibus da caravana foi atingido por tiros

Brasília - Pré-candidatos à Presidência da República, Geraldo Alckmin (PSDB), Henrique Meirelles (PSD), Manuela dAvila (PCdoB), Marina Silva (Rede) e Guilherme Boulos (PSOL) condenaram nesta quarta-feira (28), em suas contas no Twitter, os ataques feitos contra a caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo sul do País.

Na terça-feira (27), dois ônibus que levavam parte da equipe do petista foram atingidos por tiros no Paraná. Ninguém se feriu.

Para Alckmin, "toda forma de violência deve ser condenada". De acordo com o governador paulista, é papel das autoridades apurar e punir os tiros contra a caravana do PT. "E é papel de homens públicos pregar a paz e a união entre os brasileiros. O País está cansado de divisão e da convocação ao conflito", escreveu. Na noite desta terça, no entanto, o tucano havia adotado um discurso menos conciliatório, e até mesmo surpreendente, ao declarar à Folha de S.Paulo que o "PT estava colhendo o que plantou".

A postura de Alckmin em relação ao futuro de Lula tem sido de cautela. De olho nos votos do PT, no caso de o ex-presidente ser impedido pela Justiça Eleitoral de disputar a eleição, o tucano tem evitado fazer ataques a Lula ou mesmo ao seu partido. Até mesmo sua posição em relação à prisão em segunda instância foi tornada pública apenas nesta terça. "Eu sou favorável a manter (o entendimento atual) porque, se não mantiver, vai transformar praticamente os tribunais regionais em tribunais de passagem para depois lá na frente ter uma decisão final."

Segundo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em um democracia as divergências políticas devem ser resolvidas nas eleições, através do debate e do respeito ao resultado eleitoral. "O que aconteceu ontem no Paraná foi um atentado contra a liberdade de expressão de um líder político e isso é inadmissível numa democracia", disse.

Marina Silva afirmou que repudia veementemente os tiros disparados contra a caravana do ex-presidente. "O uso da violência com motivações políticas é uma afronta ao regime democrático", disse. "Devemos lutar pelo direito a livre manifestação e pelo respeito às instituições da Justiça, que são preceitos constitucionais e alicerces fundamentais da nossa democracia", completou.

Pré-candidata pelo PCdoB, Manuela dAvila afirmou que estará com Lula nesta quarta-feira em Curitiba. "Transformemos o ato da caravana de Lula de hoje, em Curitiba, num grande ato de resistência ao fascismo e ao ódio. De reafirmação do compromisso com a democracia", afirmou. Presidenciável pelo PSOL, Guilherme Boulos também é esperado na capital paranaense.

"Os fascistas ultrapassaram qualquer limite. Toda solidariedade a Lula contra as agressões. É momento de unidade democrática e de resistência ativa. Com fascismo não se brinca", afirmou Boulos, que considerou a declaração de Alckmin (PT colhe o que planta) como "um aplauso ao fascismo."

Reunião

A preocupação com a segurança do ex-presidente será pauta de uma reunião na manhã desta quarta entre congressistas do PT e o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, que classificou o episódio no Paraná como "inaceitável". A Polícia Civil do Paraná instaurou inquérito policial para investigar o ataque. Já a PM paranaense afirmou que reforçará o policiamento.

Nesta quarta-feira, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), também pré-candidato à Presidência, e o Movimento Brasil Livre (MBL) participam de atos em Curitiba, onde a caravana de Lula encerra o seu trajeto.

Com agências 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENTÃ?RIOS (0)  

Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

21-03-2019 Mourão acha muito ruim para o país ex-presidentes serem presos
20-03-2019 Para IBOPE, 51% aprovam forma de Bolsonaro governar
19-03-2019 O colapso da moderação
12-03-2019 Bolsonaro quer achar mandante do crime contra Marielle
13-03-2019 Percalços da ala militar
07-03-2019 Operador do PSDB pega 145 anos e tem prisão decretada
VEJA MAIS

24-03-2019 Marco Aurélio nega liberdade a Moreira Franco
24-03-2019 Duelo entre Bolsonaro e Maia afeta reforma da Previdência
23-03-2019 Três ultimatos, várias prisões
22-03-2019 Oposição reúne 6 partidos contrários a Reforma da Previdência
22-03-2019 Proposta dos militares divide opiniões de deputados

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152