Brasília, 17 de Julho de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

LAVA JATO
Juiz aceita den√ļncia e Cabral vira r√©u pela 22¬™ vez 05.04.2018
Divulgação
Cabral est√° preso em Curitiba

Rio - O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal no Rio, aceitou mais uma denúncia contra Sérgio Cabral (MDB) no âmbito da Lava Jato. O ex-governador e o ex-presidente da Fecomércio se tornaram réus no processo iniciado com a Operação Jabuti. Cabral é réu pela 22ª vez. A decisão é da última terça-feira (3).

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), a Fecomércio "valeu-se do esquema de lavagem de dinheiro" comandado por operadores de Cabral, dissimulando mais de R$ 3 milhões. Todo o esquema teria movimentado R$ 7,5 milhões.

A organização criminosa, nas palavras dos procuradores, empregou ainda "funcionários fantasmas" (ou jabutis) que, na verdade, trabalhavam para membros da quadrilha. A intenção era ter a "boa vontade" do governo do Estado.

O pagamento de propina, segundo o MPF, começou em 2004, quando Cabral ainda era presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). No posto, ele beneficiaria Fecomércio, Sesc e Senac. A propina, narra o MPF, continuou depois que Cabral se tornou senador e governador.

A Fecomércio pagou os salários da chef de cozinha de Cabral e de sua secretária particular. Empresas ligadas à Fecomércio bancaram ainda os vencimentos de esposas e da irmã de operadores do ex-governador. A denúncia garante que os "jabutis" nunca trabalharam para as empresas.

No mesmo processo foram denunciados também Wilson Carlos, Ary Filho, Serjão, Carlos Miranda, Jaime Luiz Martins, João do Carmo Monteiro Martins, Manuel João Pereira, Sônia Ferreira Batista, Carla Carvalho Hermansson, Ione Brasil Macedo e Gladys Falci.

Justiça estadual

Na Justiça estadual, Cabral virou réu em outro processo. A denúncia do Ministério Público Estadual contra o ex-governador no episódio que ficou conhecido como "videoteca" do presídio de Benfica foi aceita.

São réus também Fábio Ferraz Sodré, Niltom César Vieira da Silva e Sandro Fernandes Figueiredo. Eles são acusados de falsidade ideológico a e falsidade material.

Com agências 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

05-07-2018 Porandubas politicas
03-07-2018 Eike é condenado a 30 anos de prisão por corrupção
17-06-2018 PGR quer ouvir Odebrecht e doleiro no inquérito Temer
13-06-2018 Bretas condena Cavendish e Cachoeira por corrupção
03-06-2018 Lição da greve: sob o rodoviarismo não há salvação
30-05-2018 TRF-4 mantém pena de Cabral em 14 anos e 2 meses
VEJA MAIS

17-07-2018 Meio ambiente deve ser uma agenda central no debate eleitoral
17-07-2018 Justiça do DF bloqueia bens do prefeito Marcelo Crivella
16-07-2018 A ameaça do "não voto"
16-07-2018 Ex-ministro do STF Pertence deixa defesa de Lula
14-07-2018 STF dá 30 dias para concluir investigação sobre Aécio

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152