Brasília, 19 de Dezembro de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

LAVA JATO
Juiz aceita denúncia e Cabral vira réu pela 22ª vez 05.04.2018
Divulgação
Cabral está preso em Curitiba

Rio - O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal no Rio, aceitou mais uma denúncia contra Sérgio Cabral (MDB) no âmbito da Lava Jato. O ex-governador e o ex-presidente da Fecomércio se tornaram réus no processo iniciado com a Operação Jabuti. Cabral é réu pela 22ª vez. A decisão é da última terça-feira (3).

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), a Fecomércio "valeu-se do esquema de lavagem de dinheiro" comandado por operadores de Cabral, dissimulando mais de R$ 3 milhões. Todo o esquema teria movimentado R$ 7,5 milhões.

A organização criminosa, nas palavras dos procuradores, empregou ainda "funcionários fantasmas" (ou jabutis) que, na verdade, trabalhavam para membros da quadrilha. A intenção era ter a "boa vontade" do governo do Estado.

O pagamento de propina, segundo o MPF, começou em 2004, quando Cabral ainda era presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). No posto, ele beneficiaria Fecomércio, Sesc e Senac. A propina, narra o MPF, continuou depois que Cabral se tornou senador e governador.

A Fecomércio pagou os salários da chef de cozinha de Cabral e de sua secretária particular. Empresas ligadas à Fecomércio bancaram ainda os vencimentos de esposas e da irmã de operadores do ex-governador. A denúncia garante que os "jabutis" nunca trabalharam para as empresas.

No mesmo processo foram denunciados também Wilson Carlos, Ary Filho, Serjão, Carlos Miranda, Jaime Luiz Martins, João do Carmo Monteiro Martins, Manuel João Pereira, Sônia Ferreira Batista, Carla Carvalho Hermansson, Ione Brasil Macedo e Gladys Falci.

Justiça estadual

Na Justiça estadual, Cabral virou réu em outro processo. A denúncia do Ministério Público Estadual contra o ex-governador no episódio que ficou conhecido como "videoteca" do presídio de Benfica foi aceita.

São réus também Fábio Ferraz Sodré, Niltom César Vieira da Silva e Sandro Fernandes Figueiredo. Eles são acusados de falsidade ideológico a e falsidade material.

Com agências 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENTÃ?RIOS (0)  

Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

10-12-2018 Ministro do STF nega liberdade ao governador Pezão
06-12-2018 Dono de cervejaria pagava mensalão de R$ 500 mil a Cabral
04-12-2018 Cabral é condenado de novo e penas chegam a 198 anos
03-12-2018 O Rio é a síntese do Brasil
29-11-2018 Presos dois ex-secretários de Saúde do DF por fraudes
29-11-2018 PF prende o governador Pezão por corrupção
VEJA MAIS

18-12-2018 CNJ restringe o pagamento de auxílio-moradia a juízes
17-12-2018 Guedes quer reduzir em 50% repassses ao sistema S
17-12-2018 Maia é contra fatiar votação da reforma da Previdência
17-12-2018 Bolsonaro faz quarta-feira reunião com os 22 novos ministros
17-12-2018 A identidade de bolsonaro

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152