Brasília, 18 de Outubro de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

O pior dos mundos 04.06.2018

André Gustavo Stumpf

Em 1972, caminhoneiros no Chile pararam o país por 26 dias. Desorganizaram totalmente a produção e o consumo. Um ano depois repetiram a ação. As Forças Armadas chilenas tinham a tradição de não intervir na política, pois o corpo militar era constituído de profissionais, como se dizia na época. No dia 11 de setembro de 1973, o Palácio de La Moneda, em Santiago, foi impiedosamente bombardeado. O presidente Allende morreu e o general Augusto Pinochet, Comandante-Chefe do Exército, assumiu o poder. E nele permaneceu por 17 anos.

Em 1964, o governo João Goulart estava cercado por greves e reinvindicações. Havia o chamado dispositivo militar que garantiria o exercício do poder pelo presidente civil, que tratava na época de assuntos explosivos entre eles a reforma agrária. Quando as tropas do general Mourão Filho saíram de Belo Horizonte rumo ao Rio de Janeiro, o dispositivo militar desabou. Jango voou de Brasília para o exílio. As garantias de não intervenção militar foram rapidamente esquecidas. O general Castello Branco, então Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas tomou posse no Palácio do Planalto. Tudo muito rápido e eficiente, tanto no Chile quanto no Brasil.

Brincar de intervenção militar não é atividade de quem tem juízo. A dependência de transporte rodoviário é característica da maioria dos países da América do Sul. Aqui, o Ministro de Viação e Obras Públicas, Juarez Távora, no início do primeiro governo militar, decidiu investir em rodovias e extinguir ferrovias. Chegou a retirar trilhos de rotas estabelecidas. Havia, por exemplo, ligação por ferroviária entre Rio e São Paulo. Hoje não existe mais.

Desde os anos 70, quando houve os dois choques do petróleo, filas em postos de combustíveis se tornaram realidade. Em 1973, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) elevou em cerca de 400% o preço do barril. E 68% do petróleo consumido no Brasil eram importados. O governo de Ernesto Geisel proibiu o funcionamento dos postos de combustíveis das 23h às 6h, de segunda a sexta-feira, e o fechamento total aos sábados, domingos e feriados.

Após a primeira crise do petróleo surgiu no país o projeto para criação de um combustível 100% brasileiro, imune às oscilações do mercado internacional. O Programa Nacional de Álcool (Proálcool), instituído em 14 de novembro de 1975, conseguiu desenvolver o primeiro biocombustível comercial do mundo, o álcool hidratado à base de cana-de-açúcar, atualmente chamado de Etanol. Mas só em maio de 1979 os primeiros 15 postos com o novo combustível começaram a funcionar, junto com os primeiros carros movidos a álcool.

Em 1986, 90% dos carros novos eram movidos pelo o combustível nacional, que recebeu uma série de incentivos, entre eles a cobrança de IPVA mais baixo. Mas, a queda no preço do petróleo e o aumento no preço do açúcar no mercado internacional provocou um desequilíbrio na produção do Etanol. Com os preços do açúcar subindo no mercado internacional, os produtores passaram a utilizar a cana para produzir açúcar e não álcool. Ocorreram diversas interrupções no abastecimento do mercado. O combustível deixou de ser confiável. 

Petróleo é riqueza e maldição. O Brasil, grande produtor, não tem capacidade de refino adequada ao consumo. Importa muito diesel e até álcool dos Estados Unidos. Melhor seria acabar com o monopólio do refino da Petrobras e permitir ao particular, brasileiro ou estrangeiro, entrar no segmento. A petroleira poderia se comportar como qualquer multinacional do ramo, mas teria que competir com adversários formidáveis. A concorrência equilibraria os preços. Hoje a Petrobras funciona dentro do país como uma multinacional protegida por um monopólio que não defende a população. É o pior dos mundos.

André Gustavo Stumpf, jornalista.



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

17-10-2018 PF indicia Temer e filha por corrupção e lavagem
16-10-2018 O trunfo é paus
16-10-2018 Rejeição a Haddad chega a 47%, aponta Ibope
15-10-2018 A nova estratégia populista
16-10-2018 Bolsonaro tem 59% e Haddad 41% na pesquisa Ibope
14-10-2018 Bolsonaro aceita debater com Haddad sem apoio de Lula
VEJA MAIS

17-10-2018 PF indicia Temer e filha por corrupção e lavagem
16-10-2018 O trunfo é paus
16-10-2018 Rejeição a Haddad chega a 47%, aponta Ibope
15-10-2018 A nova estratégia populista
16-10-2018 Bolsonaro tem 59% e Haddad 41% na pesquisa Ibope

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152