Brasília, 23 de Fevereiro de 2019
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

LAVA JATO
Eike é condenado a 30 anos de prisão por corrupção 03.07.2018
Divulgação
Eike recebe a primeira condenação

Rio - O empresário Eike Batista foi condenado a 30 anos de prisão em regime fechado pela 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Ele também foi multado em R$ 53 milhões. 

Eike é acusado de fazer pagamentos indevidos no valor de US$ 16,5 milhões ao ex-governador fluminense Sérgio Cabral, em 2011, e de tentar ocultar a propina por meio de uma operação de lavagem de dinheiro.

Segundo a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal, a fim de ocultar o pagamento a Cabral, o doleiro Renato Chebar criou uma offshore chamada Arcadia Associados, que assinou um contrato fictício com a empresa Centennial Asset Mining Fund, de Eike Batista, para a possível aquisição de uma mina de ouro.

Pela falsa intermediação, a Arcadia receberia 1,12% do valor da transação. Os recursos foram transferidos de uma conta de Eike Batista no Panamá para uma conta da Arcadia, de Chebar, aberta no Uruguai.

Eike foi preso por conta das investigações em 2017. Ele deixou o complexo prisional de Bangu em abril daquele ano, após Gilmar Mendes, ministro do STF, conceder uma liminar que autorizava o empresário a deixar a prisão. Atualmente, ele cumpre prisão domiciliar.

Na ocasião, Eike Batista tentou fechar um acordo de colaboração com a Procuradoria-Geral da Repúblicas, mas as negociações foram encerradas em janeiro porque a procuradora-geral, Raquel Dodge, considerou haver provas insuficientes para corroborar os relatos. A proposta previa menções ao ex-presidente Lula, ao ex-ministro Guido Mantega e ao prefeito carioca Marcelo Crivella, do PRB.

Outros condenados

No mesmo processo, também foi condenado o ex-governador Sérgio Cabral, a 22 anos e oito meses em regime fechado, pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Essa foi a sexta condenação de Cabral em processos que apuram esquemas de corrupção no estado do Rio de Janeiro. O ex-governador já soma penas que ultrapassam 120 anos de prisão.

Outros condenados foram a ex-primeira dama Adriana Ancelmo (4 anos e seis meses); o ex-secretário Wilson Carlos (9 anos e 10 meses); o ex-braço direito de Cabral, Carlos Miranda (8 anos e 6 meses); e o braço-direito de Eike, Flavio Godinho (22 anos), ex-vice-presidente do Flamengo.

Com agências 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENTÃ?RIOS (0)  

Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

14-02-2019 Vícios são do Estado e virtudes do Mercado? Paralelo entre o aventureiro e o trabalhador
23-12-2018 Condenado a quase 200 anos, Cabral agora tenta delação
03-07-2018 Eike é condenado a 30 anos de prisão por corrupção
27-01-2018 PGR rejeita acordo de delação de Eike Batista
19-12-2017 Cabral é condenado pela 4ª vez e penas chegam a 87 anos
31-10-2017 Gilmar decide manter Cabral preso no Rio
VEJA MAIS

23-02-2019 Tensão e mortes agravam crise nas fronteiras da Venezuela
23-02-2019 O legado bolivariano
21-02-2019 Guedes vê reação positiva dos políticos com a Previdência
20-02-2019 Senador Bezerra Coelho (MDB) será líder do governo no Senado
21-02-2019 Governo ainda não pensa em demitir ministro do Turismo

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152