Brasília, 19 de Outubro de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

LAVA JATO
PGR quer Moro no processo de marqueteiros contra Dilma 06.08.2018
Divulgação
Dilma e Santana durante campanha

Brasília - A Procuradoria-Geral da República (PGR) recomendou que o Supremo Tribunal Federal (STF) envie para a 13ª Vara Federal de Curitiba, comandada pelo juiz Sérgio Moro, depoimentos do casal de marqueteiros João Santana e Mônica Moura que tratam de suposta prática de caixa dois nas campanhas presidenciais de Dilma Rousseff em 2010 e 2014.

A Segunda Turma do STF determinou o envio do material para a Justiça Eleitoral. No entanto, para a PGR, o caso deve ser investigado pela Justiça Federal.

No recurso, o vice-procurador-eleitoral Luciano Mariz Maia pediu que os depoimentos sejam encaminhados a Moro “em razão dos diversos repasses feitos pela Odebrecht guardarem relação com investigações e ações penais em curso” na 13ª Vara Federal de Curitiba.

Para ele, “ainda que o desenrolar de eventuais investigações decorrentes dos presentes termos de depoimento apontem que os envolvidos praticaram crime eleitoral em conexão com crimes comuns, é certo que tal circunstância não conduzirá à competência exclusiva da Justiça Eleitoral para processá-los e julgá-los”. O procurador explicou que tanto a Justiça Eleitoral quanto a Justiça Federal têm a obrigação de conduzir as apurações, “por razões de índole técnica”.

Rota

Inicialmente, o caso já havia sido enviado à 13ª Vara pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF. No entanto, o ex-ministro Guido Mantega, que trabalhou nos governos de Dilma e Lula, recorreu da decisão, pedindo para o processo continuar no tribunal ou, alternativamente, ir para a Justiça Federal de São Paulo ou do Distrito Federal.

Em abril, durante sessão da Segunda Turma, Fachin manteve sua decisão, mas o ministro Dias Toffoli, seguindo decisões anteriores, propôs outro destino: a Justiça Eleitoral. Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski concordaram. O ministro Celso de Mello, que também integra o colegiado, não estava presente.

Santana e Mônica Moura dizem que Dilma tinha pleno conhecimento de que a Odebrecht ficou responsável por pagar, via caixa dois, R$ 35 milhões ao casal na campanha de 2014. Outros R$ 70 milhões foram pagos com recursos declarados. Em sua delação, Mônica Moura contou que, já em 2010, uma parcela relevante da campanha no primeiro turno foi paga mediante caixa dois. Os valores, em espécie ou transferidos por meio de uma conta na Suíça, teriam sido repassados com a ajuda da Odebrecht.

Com agências e O Globo 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

19-10-2018 Moro nega que tenha tentado influenciar elei√ß√Ķes
18-10-2018 Porandubas Políticas
12-10-2018 Eleição da crise
13-10-2018 Os n√ļmeros elegem Bolsonaro
10-10-2018 Porandubas Políticas
10-10-2018 TRF-4 nega pedido de Lula contra delação de Palocci
VEJA MAIS

18-10-2018 Bolsonaro confirma que n√£o ir√° aos debates
19-10-2018 PT tenta declarar Bolsonaro inelegível por 8 anos
18-10-2018 Congresso aprova aumento para agentes de sa√ļde
19-10-2018 Paris na garrafa
19-10-2018 Moro nega que tenha tentado influenciar elei√ß√Ķes

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152