Brasília, 23 de Julho de 2019
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

ELEIÇÕES 2018
TSE aplica Lei da Ficha Limpa e barra Lula 01.09.2018
Divulgação TSE
Ministro Barroso foi o relator do caso

Brasília - Por seis votos a um, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aplicou a Lei da Ficha Limpa e reprovou o registro da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, retirando o petista da corrida ao Palácio do Planalto. Mas o PT promete recorrer junto ao Supremo Tribunal Federal para manter a candidatura do ex-presidente.

A votação foi encerrada no início da madrugada deste sábado (1º), após mais de 10 horas de sessão. O tribunal deu prazo de dez dias para a coligação apresentar um novo cabeça de chapa. Se isso ocorrer, quem deve assumir a cabeça da chapa é Fernando Haddad (PT), com Manuela DÁvila (PCdoB) como vice.

Por 5 a 2, os ministros haviam determinado que o partido não veiculasse a propaganda eleitoral até a troca do presidenciável, mas, ao fim da sessão, a Corte Eleitoral reviu a decisão e liberou o horário eleitoral com o candidato a vice na chapa petista, Fernando Haddad.

Preso em Curitiba desde abril, Lula foi condenado no ano passado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do tríplex do Guarujá (SP) pelo juiz Sérgio Moro. A sentença foi confirmada, em janeiro deste ano, pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), que ampliou a pena para 12 anos e 1 mês de prisão. Em agosto, o PT registrou a candidatura do ex-presidente no TSE.

Como votaram os ministros:

Dos sete ministros da Corte, apenas Edson Fachin votou por acatar a recomendação do comitê da ONU a favor da candidatura do petista.

Primeiro a dar o voto, o ministro Luís Roberto Barroso afirmou que o tribunal estava diante de uma “aplicação singela” de uma lei “clara”, como a da Ficha Limpa, que leva à inelegibilidade de candidatos condenados por órgão colegiado. Depois, o ministro se ateve à recomendação da ONU que, segundo ele, não tem efeito vinculante e, portanto, a justiça eleitoral brasileira não é obrigada a obedecê-la. Segundo Barroso, seguir a recomendação da ONU poderia levar a que o processo fosse encerrado apenas após uma eventual posse de Lula, o que seria “traumático”.

Para Barroso, após a condenação em segunda instância o petista já estava enquadrado na Lei da Ficha Limpa. Ao discordar da principal tese de argumentação da defesa, Barroso considerou que o Brasil não é obrigado a atender o comunicado apresentado pelo Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) que defende o direito de Lula disputar as próximas eleições.

Além de Barroso, votaram contra o registro de Lula os ministros Og Fernandes, Jorge Mussi, Admar Gonzaga, Tarcísio Vieira e Rosa Weber, presidente do TSE.

Após a votação, o advogado de Lula, Luiz Fernando Casagrande Pereira, havia pedido que o PT mantivesse o direito de veicular a propaganda eleitoral partidária sem a presença do ex-presidente. Em seu argumento, citou o caso da morte de Eduardo Campos em 2014, quando Marina Silva participou dos programas eleitorais do PSB antes de ser confirmada como candidata.

O principal dos pedidos contra a candidatura do ex-presidente foi apresentado pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, poucas horas após a coligação de Lula ter feito o registro no TSE em Brasília, no dia 15 de agosto.

Desde que apresentou o registro ao TSE, a coligação de Lula foi alvo de 16 pedidos para barrar o ex-presidente de concorrer com base, de modo geral, na Lei da Ficha Limpa, após Lula ter sido condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) por corrupção e lavagem de dinheiro no processo do tríplex do Guarujá (SP). Lula alega inocência e diz ser alvo de perseguição política para impedi-lo de concorrer novamente à Presidência.

Com agências 



ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENTÃ?RIOS (0)  

Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

23-07-2019 Justiça revoga condição de refugiados de 3 paraguaios
16-07-2019 FHC, Itamar... e Clemente
07-07-2019 Coaf suspeito de investigar jornalista do Intercept
03-07-2019 Porandubas Políticas
02-07-2019 Moro diz que foi imparcial e não infringiu a lei
01-07-2019 STF tem janela para julgar prisão de condenado em segunda instância
VEJA MAIS

23-07-2019 Justiça revoga condição de refugiados de 3 paraguaios
23-07-2019 FMI reduz estimativas para crescimento do Brasil em 2019
23-07-2019 Bolsonaro vai a Bahia fazendo críticas a governador do PT
23-07-2019 Sul do Brasil concentra maior crescimento em empregos
23-07-2019 Energia elétrica faz prévia do IPCA subir em julho

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152