Brasília, 16 de Outubro de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

CORRUPÇÃO
Perillo é preso pela PF acusado de receber propina 10.10.2018
Perillo é preso ao prestar depoimento na PF

 Goiânia -- O ex-governador de Goiás Marconi Perillo (PSDB) foi preso nesta quarta-feira (10) enquanto prestava depoimento à Polícia Federal em operação que investiga pagamento de propinas em campanhas eleitorais. O advogado dele, Antônio Carlos Almeida, conhecido como Kakay, confirmou a informação e declarou estar "perplexo" com a expedição do mandado.

O ex-governador tinha depoimento marcado para as 15h, mas teria chegado duas horas mais cedo e entrado pelos fundos para evitar os jornalistas. Segundo a defesa de Perillo, ele "recebeu o decreto de prisão quando estava iniciando o seu depoimento [...] e optou por manter o depoimento por ser o principal interessado no esclarecimento dos fatos". A assessoria de comunicação da PF informou ao G1 que Perillo continuava em oitiva às 16h30 e o mandado de prisão foi cumprido.
 
O político é considerado suspeito de receber R$ 12 milhões em propina de empreiteiras para os pleitos eleitorais em 2010 e 2014. A operação ocorreu em decorrência de delações da Odebrecht na Operação Lava Jato.
 
Advogado de Marconi, Kakay afirmou que "não há absolutamente nenhum fato novo que justifique o decreto do ex-governador Marconi Perillo, principalmente pelas mencionadas decisões anteriores que já afastaram a necessidade de prisão neste momento". 
 
A data do depoimento foi marcada após a defesa de Marconi pedir à Polícia Federal que o político fosse ouvido após as eleições. Perillo disputava o cargo de senador, mas recebeu apenas 416.613 votos e não foi eleito.
 
Cinco pessoas foram presas quando a Operação Cash Delivery foi deflagrada, no dia 28 de setembro, e cumpriu mandados em endereços ligados a Marconi Perillo. Foram presos Jayme Rincón, o filho dele, Rodrigo Godoi Rincón, Márcio Garcia de Moura – policial militar e motorista de Rincón –, o empresário Carlos Alberto Pacheco Júnior e o advogado Pablo Rogério de Oliveira.
 
informações Portal G1


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENT√?RIOS (0)  

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

15-10-2018 A nova estratégia populista
13-10-2018 ONU mostra preocupação com violência nas campanhas
15-09-2018 Gilmar manda soltar ex-governador Beto Richa
28-07-2018 Sem vil√Ķes nem her√≥is, as palavras explicam
14-07-2018 Fatos, factoides e o que de fato importa
25-06-2018 Trump e a aposta no erro
VEJA MAIS

16-10-2018 O trunfo é paus
16-10-2018 Rejeição a Haddad chega a 47%, aponta Ibope
15-10-2018 A nova estratégia populista
16-10-2018 Bolsonaro tem 59% e Haddad 41% na pesquisa Ibope
14-10-2018 Bolsonaro aceita debater com Haddad sem apoio de Lula

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152