Brasília, 21 de Agosto de 2019
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

ELEIÇÀO NO SENADO
PSL lança major Olímpio para presidência do Senado 03.01.2019
Major Olímpio desafia Renan Calheiros

 Brasília -- Após reunião com parte da bancada do PSL no Congresso, o presidente nacional da legenda, deputado federal eleito Luciano Bivar (PE), disse nesta quinta-feira (3) que ter a presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), em troca de apoio à reeleição do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é uma questão de "governabilidade" para o presidente Jair Bolsonaro.

 
Pelo acordo fechado com Maia, além da CCJ, o PSL recebeu a promessa de ficar com a segunda vice-presidência da Câmara e a presidência da Comissão de Finanças e Tributação.
 
De acordo com Bivar, a reunião desta quinta foi para "consolidar a decisão" da liderança da bancada de apoiar o nome de Rodrigo Maia e o lançamento da pré-candidatura do senador eleito Major Olimpio à Presidência do Senado. 
 
Cerca de 20 parlamentares, entre atuais e eleitos, participaram do encontro.
Embora a votação seja secreta, o presidente do partido disse estar seguro de que todos os integrantes da bancada do PSL seguirão a decisão da legenda.
 
Outros partidos, como PSD, PPS e PROS, manifestaram apoio nesta quinta-feira a Rodrigo Maia, Considerando as bancadas eleitas em outubro por essas legendas, além do DEM, partido do próprio presidente, Maia conta, em tese, com 161 votos. Para vencer no primeiro turno, ele precisará de pelos menos 257 votos, maioria absoluta na Câmara.
 
Esse número de apoiadores, porém, pode sofrer alterações com o afastamento de deputados para assumir cargos no Executivo e a convocação de suplentes de outros partidos que eventualmente estejam na mesma coligação do titular afastado.
 
Disputada entre os partidos, a CCJ é considerada a comissão mais importante, por ser responsável pela análise constitucional de todas as propostas que tramitam na Câmara, inclusive de emendas à Constituição.
 
"Em nenhum momento, houve troca de favores ou cargos envolvidos. A CCJ não é um cargo, é uma comissão que faz parte da governabilidade. Não é um emprego. A CCJ vai ter deputados de outras agremiações", disse Bivar ao ser questionado se a negociação em troca de espaços na Câmara não vai contra o discurso do presidente Jair Bolsonaro de fazer um novo tipo de política.
 
 
Portal G1


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENTÃ?RIOS (0)  

Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

20-08-2019 Ex-ministro diz que se discute reforma há 25 anos
20-08-2019 Governo proíbe entrada de servidores venezuelanos no Brasil
20-08-2019 MP transforma o COAF que é transferido para o Banco Central
19-08-2019 Deputada comemora aprovação de 4 projetos num só dia
19-08-2019 Audiências na CCJ ampliam debate no Senado
19-08-2019 Governo lançará campanha para aquecer vendas do comércio
VEJA MAIS

20-08-2019 Ex-ministro diz que se discute reforma há 25 anos
20-08-2019 Governo proíbe entrada de servidores venezuelanos no Brasil
20-08-2019 MP transforma o COAF que é transferido para o Banco Central
19-08-2019 Deputada comemora aprovação de 4 projetos num só dia
19-08-2019 Audiências na CCJ ampliam debate no Senado

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152