Brasília, 24 de Setembro de 2019
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

Indicador Ipea de Consumo de Bens Industriais cai 2,7% 17.05.2019
Brasília -- O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou nesta terça-feira, dia 14/05, o Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais, que mede a produção industrial interna líquida (descontadas as exportações), acrescida das importações. Em março deste ano, o indicador apontou queda de 2,7% em relação ao mês de fevereiro, na comparação com ajuste sazonal. Na análise trimestral, o indicador registrou retração de 2,8% nos primeiros três meses de 2019.
 
Em março, enquanto a produção interna líquida (nacional) recuou 4,3%, as importações de bens industriais vieram na contramão e apontaram alta de 5% em relação a fevereiro. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, a demanda interna por bens industriais teve queda de 7,2%, resultado pior do que a produção industrial, que caiu 6,1% segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 
Na análise das grandes categorias econômicas, o resultado também foi negativo, com exceção do segmento bens de capital, que cresceu 2,1% em março deste ano contra o mês de fevereiro. Na comparação com março do ano passado, o setor bens de capital também foi o único a crescer, ficando 3,1% superior ao mesmo período. As maiores quedas em março deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado estão nos segmentos de bens de consumo duráveis (queda de 15,4%) e bens semi e não duráveis (com queda de 5,7%).
 
Com relação às classes de produção, divididas em 22 categorias, a demanda interna por bens da indústria de transformação teve queda de 2,9% em relação ao mês de fevereiro. Em compensação, após o desastre na barragem de Brumadinho ter influenciado negativamente o indicador do mês de fevereiro, a indústria mineral mostrou recuperação e atingiu alta de 9,1% em março. Nove segmentos também mostraram crescimento, com destaque para o consumo aparente do segmento de produtos farmoquímicos, que cresceu 4,2%.
 
Numa comparação com o mês de março de 2018, seis segmentos registraram alta, principalmente os segmentos de produtos de metal (4%) e metalurgia (3,8%). Já a maior oscilação negativa foi no setor de gravações, que teve queda de 27,8%.
 
No acumulado em 12 meses, o consumo aparente de bens industriais teve ritmo de crescimento mais intenso (1,3%) que a variação do índice na produção industrial (-0,1%). Na análise por setores, onze dos 22 segmentos apresentaram variação positiva nos últimos 12 meses.
 


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENTÃ?RIOS (0)  

Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

23-09-2019 A baixeza humana
23-09-2019 Salles diz que Brasil deve receber por serviços ambientais
23-09-2019 Contas externas apresentam deficit de US$ 4,27 bilhões
23-09-2019 Mourão vê guerra das forças policiais contra narcotráfico
23-09-2019 Mais um réu tenta reverter condenação na Lava Jato
23-09-2019 Ministra diz que Brasil aumenta produtividade com preservação
VEJA MAIS

23-09-2019 A baixeza humana
23-09-2019 Salles diz que Brasil deve receber por serviços ambientais
23-09-2019 Contas externas apresentam deficit de US$ 4,27 bilhões
23-09-2019 Mourão vê guerra das forças policiais contra narcotráfico
23-09-2019 Mais um réu tenta reverter condenação na Lava Jato

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152