Brasília, 06 de Dezembro de 2019
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

SANEAMENTO
Marco regulatório do saneamento pode ser votado hoje 03.12.2019
Agência Brasil

 Brasília - A Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira passada o regime de urgência para a votação do novo marco regulatório do saneamento básico (PL 3261/19). O projeto deve ser incluído na pauta de votações desta quarta-feira (04).

 
O relator da proposta, deputado Geninho Zuliani (DEM-SP), espera que o texto seja aprovado na próxima terça-feira (3), mas a medida não tem acordo entre os líderes e deverá sofrer resistência de parte do Plenário. O tema já foi objeto de medidas provisórias que perderam a vigência sem votação em razão da falta de acordo.
 
O ponto principal do projeto é estabelecer prazo para licitação obrigatória dos serviços de saneamento, em que empresas privadas e estatais competirão. Hoje, os prefeitos e governadores podem optar pela licitação ou por firmar termos de parceria direto com as empresas estatais.
 
As estatais poderão renovar o termo, mas novos contratos de programa serão proibidos após a publicação da lei.
 
Zuliani disse que a intenção é dar segurança jurídica para o investimento privado. “Falta dinheiro na saúde, na educação, e precisamos de R$ 600 bilhões de investimento em saneamento básico”, afirmou. “Temos que trazer dinheiro de fora, dos fundos internacionais, e dos fundos nacionais. E, para atrair esse investimento, precisamos ter segurança jurídica, uma boa regulação”, emendou.
 
Para o deputado Hildo Rocha (MDB-MA), a universalização do saneamento básico depende de investimentos privados. “São 100 milhões de brasileiros que não têm o esgoto de suas casas tratado. Eles convivem diariamente com o esgoto no fundo da sua casa, no seu quintal, contraindo determinados tipos de doença, encarecendo a saúde pública”, ressaltou.
 
Contrários
 
O deputado Afonso Florence (PT-BA) disse que a proposta estabelece uma transição muito pequena e vai acabar impedindo a participação do setor público. Florence defende a manutenção da prerrogativa dos prefeitos de optar pela licitação ou pelo contrato de programa com a estatal.
 
“O relatório, como um todo, é muito ruim e vai contra o interesse público do povo brasileiro, em particular, das periferias urbanas e dos municípios do Semiárido brasileiro, do Cerrado e da Mata Atlântica, onde os sistemas de água e esgoto são deficitários”, disse.
 
Na avaliação do deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA), a licitação obrigatória vai levar ao aumento das tarifas de água no País. “Se nós acharmos que é transformando a água, transformando o serviço de água e esgoto em mercadoria, entregando à iniciativa privada, que nós vamos encontrar as saídas na velocidade que alguns aqui estão anunciando, é uma grande mentira”, denunciou.
 
Para Daniel Almeida, os municípios menores, que não dão lucro, serão prejudicados.
Com Agência Câmara
 


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENTÃ?RIOS (0)  

Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

05-12-2019 Porandubas Políticas
05-12-2019 Senado aprova projeto de Previdência dos militares
05-12-2019 Câmara desidrata e aprova o pacote anticrime de Moro
04-12-2019 Prisão em 2ª instância já está na pauta da CCJ do Senado
04-12-2019 Bolsonaro diz que extinção de municípios depende do Parlamento
04-12-2019 Congresso nega recriação da propaganda partidária
VEJA MAIS

05-12-2019 Porandubas Políticas
05-12-2019 Senado aprova projeto de Previdência dos militares
05-12-2019 Câmara desidrata e aprova o pacote anticrime de Moro
04-12-2019 Prisão em 2ª instância já está na pauta da CCJ do Senado
04-12-2019 Bolsonaro diz que extinção de municípios depende do Parlamento

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152