Brasília, 28 de Fevereiro de 2020
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

PROTECIONISMO
Trump impõe taxas na importação de aço e alumínio do Brasil 02.12.2019
Agência Brasil

 Washington - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou hoje (2) em sua conta no Twitter que vai restaurar as tarifas do aço e alumínio brasileiros e argentinos. A medida é uma reação americana a desvalorização das moedas locais desses dois países. A medida atinge em cheio as exportações brasileiras desses produtos para a América.

 
O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (2) que, "se for o caso", conversará com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a respeito da restauração de tarifas sobre a importação, pelos EUA, de aço e alumínio de Brasil e Argentina. Para ele, a medida anunciada pelo presidente norte-americano não é "retaliação".
 
O presidente disse esperar que Trump não "penalize" o Brasil. "A alegação dele, no Twitter dele, é a questão das commodities. A nossa economia basicamente vem dos commodities. É o que nós temos e espero que tenha o entendimento dele que não nos penalize no tocante a isso. E tenho certeza, tenho quase certeza que ele vai nos atender", afirmou.
 
“O Federal Reserve [Banco Central dos Estados Unidos] também deve agir para que os países não tirem mais proveito do nosso dólar forte, desvalorizando ainda mais suas moedas. Isso torna muito difícil para nossos fabricantes e agricultores exportar seus produtos de maneira justa”, disse Trump na rede social.
 
No final de agosto deste ano, o governo dos Estados Unidos flexibilizou as importações destes produtos quando decidiu que companhias norte-americanas que negociarem aço do Brasil não precisariam pagar 25% a mais sobre o preço original desde que provem que há ausência de matéria-prima no mercado interno. O Brasil está entre os principais fornecedores de aço e ferro para os Estados Unidos. 
 
Na última sexta-feira (29) a moeda norte-americana voltou a subir atingindo, em valores nominais (desconsiderando a inflação) o segundo maior nível desde a criação do real. O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 4,241, com alta de R$ 0,025 (+0,58%).
Com Agência Brasil e Portal G1


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENTÃ?RIOS (0)  

Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

27-02-2020 Vírus se espalha por todos os continentes e por 45 países
26-02-2020 Os 7 grandes desafios da educação brasileira para 2020
26-02-2020 Levantamento XP avalia positivamente economia de Guedes
26-02-2020 A vaca, o vampiro e o Pinóquio
26-02-2020 Mercado altera pouco as projeções para este ano
26-02-2020 Em meio a pânico mundial Ibovespa cai 7% no Brasil
VEJA MAIS

27-02-2020 Vírus se espalha por todos os continentes e por 45 países
26-02-2020 Os 7 grandes desafios da educação brasileira para 2020
26-02-2020 Levantamento XP avalia positivamente economia de Guedes
26-02-2020 A vaca, o vampiro e o Pinóquio
26-02-2020 Mercado altera pouco as projeções para este ano

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152