Brasília, 10 de Agosto de 2020
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas

Anuncie Aqui

CRISE
Mello suspende sigilo do vídeo de reunião do Planalto 22.05.2020
Marcos Corrêa/PR

Brasília - O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta sexta-feira (22) retirar o sigilo parcial da gravação audiovisual da reunião ministerial realizada no dia 22 de abril. Pela decisão, somente a parte da reunião que envolveu discussões sobre outros países não será divulgada. 

 O ministro é relator do inquérito sobre a suposta interferência política do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal (PF). A reunião foi citada pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro durante depoimento prestado à PF, no início do mês, como suposta prova da interferência. 
 
Na semana passada, antes da decisão do ministro Celso de Mello, o procurador-geral da República, Augusto Aras, defendeu no STF a divulgação somente das falas do presidente relacionadas com a investigação. No parecer, Aras afirmou que a divulgação da íntegra da reunião ministerial contraria regras e princípios constitucionais de investigação
 
A Advocacia-Geral da União (AGU) também defendeu divulgação de todas as falas do presidente, mas pediu que o sigilo seja mantido no caso de falas de outras autoridades que estavam presentes sobre "nações amigas” e comentários “potencialmente sensíveis” do ministro das Relações Exteriores e da Autoridade Monetária (Banco Central). 
 
A defesa de Moro também enviou sua manifestação e defendeu a divulgação da reunião na íntegra. 
 
Desde a exoneração de Moro, o presidente nega que tenha pedido para o então ministro interferir em investigações da PF.
 
Principais pontos da reunião:
 
O presidente Jair Bolsonaro diz que vai intervir nos ministérios e que não pode ser surpreendido por notícias divulgadas pela imprensa porque não recebe informações da PF, Inteligência das Forças Armadas e Abin
 
Bolsonaro xinga o governador de São Paulo, João Doria, de “bosta” e o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, de “estrume”
 
Bolsonaro afirma “Eu não vou esperar foder a minha família toda”
para trocar segurança, chefia da segurança ou ministro
 
Bolsonaro diz ainda que tem “sistema particular” de informações que funciona e que o sistema oficial desinforma
 
Bolsonaro reclama de pressão para mostrar exames da Covid-19 e afirma que abrir impeachment por isso seria  “babaquice”
 
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, diz que os ministros do STF deveriam ser presos
 
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, defende passar “a boiada” e “mudar” regramento enquanto a atenção da mídia está voltada para a Covid-19
 
O ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que o Brasil “tem que aguentar” a China. Guedes também afirma que “Tem que vender essa porra logo” em referência ao Banco do Brasil
 
A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, diz que vai pedir prisão de governadores e de prefeitos
 
 
Com Agência Brasil e Portal G1


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER
COMENTE ESTE ARTIGO   LEIA COMENTÃ?RIOS (0)  

Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal Voltar a Página Principal
CONTEÚDO RELACIONADO

09-08-2020 Reforma deve resolver, não criar problemas
09-08-2020 A educação conservadora faz a cabeça dos militares
09-08-2020 Temer deve chefiar missão brasileira de ajuda ao Líbano
08-08-2020 Presidente do STF decreta luto oficial pelos mortos
08-08-2020 Gilmar solta mais um presidiário da Lava-Jato
07-08-2020 Mourão vê desencontros sobre desmatamentos
VEJA MAIS

09-08-2020 Reforma deve resolver, não criar problemas
09-08-2020 A educação conservadora faz a cabeça dos militares
09-08-2020 Temer deve chefiar missão brasileira de ajuda ao Líbano
08-08-2020 Presidente do STF decreta luto oficial pelos mortos
08-08-2020 Gilmar solta mais um presidiário da Lava-Jato

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152