Brasília, 22 de Julho de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas
1

Anuncie Aqui

Garotinho e presidente do PR deixam a pris√£o 22.12.2017

Brasília - O ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho saiu do Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste, às 20h30 desta quinta-feira (21). Ele foi beneficiado por uma decisão do ministro Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Um grupo de cerca de 20 pessoas, incluindo a filha dele, Clarissa Garotinho (PRB), fez festa na porta do presídio. Após cumprimentos, beijos e abraços, ele conversou com jornalistas. "Nada vai mudar as minhas convicções", disse ele.

Anthony Garotinho e a mulher, a também ex-governadora Rosinha Matheus, foram presos no mês passado por crimes eleitorais em uma ação da Polícia Federal. Os dois negam as acusações.

Rosinha já respondia em liberdade. Garotinho agora também responderá o processo em casa. Não precisará usar tornozeleira eletrônica, mas está impedido de deixar o país – precisou entregar o passaporte à Justiça.

Gilmar Mendes também mandou soltar o ex-ministro dos Transportes e presidente do PR, Antônio Carlos Rodrigues. Alvo da mesma operação que Garotinho, ele chegou a ficar uma semana foragido, se entregou à Polícia Federal, e estava em Benfica. Na noite desta quinta, ele deixou o presídio sem falar com jornalistas.

Antonio Carlos é suspeito de negociar com o frigorífico JBS a doação de dinheiro oriundo de propina para a campanha do ex-governador em 2014.

Contas eleitorais

A prisão de Garotinho foi baseada em investigação que apura os crimes de corrupção, concussão, participação em organização criminosa e falsidade na prestação das contas eleitorais.

A PF diz que a JBS firmou contrato fraudulento com uma empresa sediada em Macaé para a prestação de serviços na área de informática.

De acordo com as investigações, os serviços não foram prestados e o contrato, de aproximadamente R$ 3 milhões, serviria apenas para o repasse irregular de valores para a utilização nas campanhas eleitorais.

Na decisão, Gilmar Mendes considerou que a Justiça Eleitoral do Rio de Janeiro não indicou nenhuma conduta atual de Garotinho que revele tentativa de cometer novos crimes, prejudicar a investigação ou fugir, condições para decretar uma prisão preventiva – imposta antes de qualquer condenação do investigado.

Com agências 


ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
VEJA MAIS

14.07.2018 STF dá 30 dias para concluir investigação sobre Aécio
13.07.2018 Alckmin fecha com PSD e tenta atrair o DEM
13.07.2018 Juiz de Natal concede liberdade a Henrique Alves
13.07.2018 Juiz do DF nega pedido de liberdade de Cunha
12.07.2018 C√Ęmara livra deputado condenado por corrup√ß√£o

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152